Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Arquitetos planejam cidade no futuro na baía de Tóquio

A ideia é ter uma megacidade sustentável, totalmente adaptada às mudanças climáticas.


As cidades do futuro precisam ser pensadas considerando todas as possíveis consequências das mudanças climáticas. Tendo esses pré-requisitos em mãos, os arquitetos dos escritórios Leslie E. Robertson Associates e Kohn Pedersen Fox Associates foram os responsáveis por planejar o “next-Tokyo”, uma cidade japonesa construída no próprio mar.

De acordo com a apresentação do projeto, a ideia é ter uma megacidade sustentável, totalmente adaptada às mudanças climáticas. Preocupações como o aumento dos níveis do mar e abalos sísmicos não existirão.

A “next-Tokyo” foi pensada para ser instalada na baía de Tóquio. Apesar da sua proximidade com a terra, a estrutura dependerá muito pouco das estruturas municipais, principalmente no que diz respeito à distribuição de água e energia. O projeto é semelhante a um arquipélago com pequenas ilhas destinadas a atividades diversas e um grande prédio, com 1.600 metros de altura.

O transporte será feito através de túneis submersos e um sistema de transportes em tubos de vácuo, chamado de “Hyperloop”. Neste projeto, a água do mar não é um problema e sim uma solução. As ilhas usarão essa água para criar piscinas públicas e um sistema de tratamento fará a dessalinização, para que ela seja usada no abastecimento de todos os habitantes locais.

Uma cidade do futuro precisa ser sustentável. Portanto, os resíduos precisam ter cuidado especial, bem como a energia e a produção de alimentos. Diversos sistemas diferentes serão aplicados para produzir energia eólica, solar, cinética e até microturbinas que transformam o movimento do mar em eletricidade estão na lista de utilidades. As áreas abertas e os telhados darão espaço às fazendas urbanas e às hortas comunitárias, enquanto a água salgada será usada para criar algas, transformadas em biocombustível.

O desenho da torre foi um desafio à parte. Os arquitetos precisaram pensar em cada detalhe, principalmente relacionados à aerodinâmica, para que o prédio fosse seguro e eficiente. Concreto e aço foram os materiais escolhidos, e a estrutura considerou todas as possíveis oscilações geológicas comuns à região. O edifício será de uso múltiplo, incluindo apartamentos residenciais, comerciais e serviços.

A estimativa é de que a cidade esteja pronta em 2045.
Clique aqui para ver todos os detalhes deste projeto.

Fonte: Ciclo Vivo

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros