Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Pesquisa revela que exposição a pesticidas durante a gravidez aumenta os resultados adversos de nascimento

Embora uma opinião comum sustente que a exposição a pesticidas aumenta os resultados adversos de nascimento, o conjunto de evidências científicas existentes é ambíguo. Barreiras logísticas e éticas – os dados de uso de pesticidas não estão amplamente disponíveis e os ensaios de controle randomizados são impossíveis – não permitiram conclusões mais precisas.


Um novo estudo, realizado por pesquisadores da UC Santa Barbara, aborda a questão de forma inovadora – analisando os resultados de nascimentos no Vale de San Joaquin, Califórnia.

Com mais de um terço dos vegetais dos EUA e dois terços de suas frutas e nozes produzidas lá, no Vale de San Joaquin, não é de surpreender que seja uma região de intenso uso de pesticidas. A equipe da UCSB investigou o efeito da exposição durante a gravidez nesta área agrícola e observou um aumento nos resultados adversos, que acompanham níveis muito altos de exposição a pesticidas. Suas descobertas aparecem no jornal Nature Communications.

“Para a maioria dos nascimentos, não há impacto estatisticamente identificável da exposição a pesticidas no resultado do parto”, diz o autor principal Ashley Larsen, professora-assistente na Bren School of Environmental Science & Management da UCSB. “No entanto, as mães expostas a níveis extremos de pesticidas, definidas aqui como os 5% superiores da distribuição de exposição a pesticidas, experimentaram entre 5 e 9% de aumento na probabilidade de resultados adversos, com uma diminuição de aproximadamente 13 gramas no peso ao nascer”.

Usando registros de certidão de nascimento para mais de 500 mil nascimentos únicos entre 1997 e 2011, combinado a dados de uso de pesticidas em uma escala espacial e temporal, os cientistas puderam determinar se a exposição residencial de pesticidas agrícolas durante a gestação – por trimestre e por toxicidade – influenciariam peso de nascimento, duração gestacional ou anormalidades de nascimento.

Eles encontraram efeitos negativos da exposição a pesticidas para todos os resultados de nascimento – baixo peso ao nascer, gestação, parto prematuro, anormalidades de nascimento, mas apenas para gestantes expostas a níveis muito altos de pesticidas – os 5% superiores da exposição nesta amostra. Este grupo foi exposto a 4.200 kg de pesticidas aplicados em áreas de 1 Km2 abrangendo seus endereços durante a gravidez.

“Se podemos identificar onde e por que esses níveis extremamente elevados de uso estão ocorrendo, particularmente perto de assentamentos humanos, formuladores de políticas e profissionais de saúde podem trabalhar para reduzir exposições extremas perto de comunidades agrícolas, através de campanhas de informação ou divulgação aos agricultores”, explicou Larsen.

Numerosos produtos químicos são usados diariamente nas proximidades de áreas residenciais, dificultando a verificação de um agente responsável específico. Como resultado, neste estudo, os pesquisadores analisaram os resultados combinados de todos os pesticidas utilizados na região.

“Nós não temos uma boa compreensão de como diferentes produtos químicos interagem uns com os outros no meio ambiente”, disse Larsen. “É necessário um trabalho adicional para entender quais produtos químicos ou combinações de produtos químicos são mais perigosos para a saúde humana”.

Referência:
Agricultural pesticide use and adverse birth outcomes in the San Joaquin Valley of California
Ashley E. Larsen, Steven D. Gaines & Olivier Deschênes
Nature Communications 8, Article number: 302 (2017)
doi:10.1038/s41467-017-00349-2
https://www.nature.com/articles/s41467-017-00349-2



* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate

Fonte: EcoDebate

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros