Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Edulcorantes artificiais nas águas subterrâneas são indicadores da contaminação por sistemas sépticos

A presença de adoçantes artificiais nas águas subterrâneas rurais mostra evidências de contaminação por águas residuais locais do sistema séptico, disseram pesquisadores da Universidade de Waterloo.


O estudo, publicado no Journal of Environmental Quality , descreve como os pesquisadores testaram poços de águas subterrâneas privadas e rurais na Bacia do rio Nottawasaga, para quatro adoçantes artificiais, como forma de detectar a água subterrânea impactada pelas águas residuais humanas sendo liberada por sistemas sépticos na área.

Os edulcorantes artificiais são os traçadores ideais das águas residuais humanas, à medida que saem do corpo humano essencialmente inalterados e não são completamente removidos pela maioria dos processos de tratamento de águas residuais. A água residual humana contém concentrações relativamente elevadas de edulcorantes artificiais.

“Embora os quatro edulcorantes artificiais que medimos sejam todos aprovados para consumo humano pela Health Canada, são os outros contaminantes sépticos que também podem estar presentes na água que podem representar um risco para a saúde”, diz John Spoelstra, primeiro autor do estudo e professor adjunto em ciências da terra e do meio ambiente em Waterloo. “Quanto às águas subterrâneas que entram em rios e lagos, o efeito de edulcorantes artificiais na maioria dos organismos aquáticos é desconhecido”.

Entre outros contaminantes, o efluente séptico pode conter bactérias como E. coli, vírus, produtos farmacêuticos, produtos de higiene pessoal e níveis elevados de nitrato e amônio.

Na realização do estudo, os pesquisadores descobriram que mais de 30 por cento das amostras analisadas ,a partir de 59 poços privados, mostram níveis detectáveis de, pelo menos, um dos quatro edulcorantes artificiais, indicando a presença de águas residuais humanas. As estimativas revelam que entre 3 e 13 por cento dos poços podem conter pelo menos 1 por cento de efluente séptico.

A equipe também testou a água subterrânea escorrendo para além do rio Nottawasaga e descobriu que 32 por cento de suas amostras foram testadas positivamente para edulcorantes. Mais uma vez, isso indica que algumas das águas subterrâneas que entram no rio Nottawasaga foram afetadas pelo efluente do sistema séptico.

Os sistemas de tanques sépticos são comumente usados em áreas rurais, onde casas não estão conectadas a um sistema de esgoto municipal. O sistema fornece tratamento primário removendo sólidos antes que o efluente seja descarregado para um campo de drenagem séptica onde ocorre um tratamento adicional.

Estudos anteriores do mesmo grupo revelaram a presença de adoçantes artificiais no rio Grand, bem como na água tratada proveniente do rio.

“Nós não ficamos realmente surpresos com os resultados mais recentes, dado o que encontramos em estudos anteriores”, disse Spoelstra, também cientista de pesquisa em meio ambiente e mudança climática no Canadá. “Os sistemas sépticos são projetados para descarregar o efluente para as águas subterrâneas como parte do processo de tratamento de águas residuais. Portanto, a contaminação das águas subterrâneas rasas é um problema comum quando se trata de sistemas sépticos”.

###

A bacia hidrográfica do rio Nottawasaga, no sul de Ontário, está localizada a oeste do lago Simcoe, a aproximadamente 50 km a norte de Toronto.



Referência:

Spoelstra, J., N. D. Senger, and S. L. Schiff. 2017. Artificial Sweeteners Reveal Septic System Effluent in Rural Groundwater. J. Environ. Qual. 0. doi:10.2134/jeq2017.06.0233
https://dl.sciencesocieties.org/publications/jeq/articles/0/0/jeq2017.06.0233

Fonte: EcoDebate

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros