Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Tendência macabra: Ativistas Verdes estão enfrentando perigos mortais

Onde está Sombath Somphone? A cada dia que passa, o destino de um dos mais conhecidos ativistas ambientais do Sudeste Asiático, que foi arrancado das ruas de Laos em dezembro, torna-se mais preocupante. Seu caso foi levantado pelo Departamento de Estado e por inúmeras ONGs ao redor do mundo. Mas as autoridades do Laos não ofereceram qualquer pista sobre o que aconteceu depois que Sombath foi parado em uma barreira policial em uma tarde de sábado em Vientiane, capital do país, quando ele voltava para casa. Parece cada vez mais como um seqüestro promovido pelo Estado – ou até algo pior, se as recentes evidências de assassinatos de ativistas ambientais patrocinados pelo Estado em outros países forem levadas em conta.
Colocar a vida em risco não é o que a maioria dos ambientalistas têm em mente quando assumem a causa da proteção da natureza e das pessoas que dela dependem para sua sobrevivência. Mas desde o Laos, passando pelas Filipinas e pelo Brasil, cresce a lista de ambientalistas que pagaram com suas vidas pelo ativismo.

É um pedágio sombrio, que foi especialmente alto no ano passado.

Um dos casos mais terríveis ocorreu em 2012 no Rio de Janeiro no último dia da Cúpula da Terra Rio +20. Na tarde de 22 de junho, os delegados de todo o mundo – inclusive eu – estavam se preparando para ir para o aeroporto, enquanto Almir Nogueira de Amorim e seu amigo João Luiz Telles Penetra partiam para uma viagem de pesca Baía de Guanabara. Além de pescadores, os dois homens eram líderes da AHOMAR, a organização local de marinheiros, que eles ajudaram a estabelecer três anos antes para combater a construção, através da baía, de gasodutos de uma nova refinaria da Petrobras . Os gasodutos, segundo eles, poderia causar poluição e as obras de engenharia iriam destruir a pesca.

A questão que eles estavam levantando – proteger os meios de vida de pessoas que dependem de recursos naturais – estava no centro da agenda da conferência do Rio de Janeiro para o desenvolvimento sustentável.

Mas alguém no Rio viu isso como uma ameaça. Dois dias depois, os corpos dos dois homens foram encontrados. 
Um deles na praia, as mãos e os pés atados com cordas; o outro foi encontrado no mar, estrangulado e amarrado ao barco, que tinha vários buracos no casco. Esse não foi um evento isolado. Nos três anos desde AHOMAR foi criada, dois outros ativistas foram assassinados. Até o momento ninguém foi condenado por qualquer um dos crimes. A refinaria deverá abrir no próximo ano.

Um mês antes de os dois pescadores brasileiros serem assassinados, um funcionário público do outro lado do mundo, que estava em campanha contra uma hidrelétrica projetada na ilha de Mindanao, no sul das Filipinas, morreu baleado. Margarito Cabal estava voltando para casa depois de visitar Kibawe, uma das 21 aldeias que devem ser inundadas pela hdrelétrica de Pulangi V, um projeto de 300 megawatts. Quem atacou Cabal fugiu e permanece desconhecido. Nenhuma acusação seguiu adiante, mas a atenção voltou-se para as forças de segurança do governo. Segundo a Organização Mundial Contra a Tortura, uma rede internacional com sede na Suíça, que assumiu o caso, por várias semanas soldados filipinos vinham realizando operações militares em torno de Kibawe e atacaram grupos de camponeses que se opõem à barragem. Se os soldados não foram responsáveis pelo assassinato, eles certamente ajudaram a criar uma atmosfera na qual os ambientalistas eram vistos como um alvo para a violência.

Cabal é o décimo terceiro ambientalista morto nas Filipinas nos últimos dois anos. Sete meses antes, um missionário católico foi assassinado depois de se opor à mineração local e a projetos hidrelétricos. “A situação está ficando pior”, diz Edwin Gariguez, o chefe local da Caritas.

A situação está piorando em outras nações também. ONGs como a Human Rights Watch concordam que 2012 foi um ano crítico para os direitos humanos também no Camboja, com ativistas contra a extração ilegal de madeira e terra sendo alvejados por pessoal de segurança do Estado e por bandidos que trabalham para empresas de exploração de recursos naturais do país. Um desses militantes era Chut Wutty, um ex-soldado e ex-ativista cambojano da Global Witness, ONG britânica que destaca as ligações entre a exploração ambiental e abusos dos direitos humanos. Quando a Global Witness foi expulsa do país há alguns anos, Wutty formou o Grupo de Proteção de Recursos Naturais para ajudar moradores cambojanos enfrentar madeireiros ilegais. Mas em abril passado, Wutty foi morto a tiros, aparentemente por um grupo de policiais militares que ele encontrou ao levar jornalistas locais para ver a ação de madeireiros ilegais no oeste do país. De acordo com um relatório do governo, o assaltante responsável pelo assassinato também foi morto no local, supostamente por um guarda florestal. Um tribunal provincial recentemente abandonou a investigação, liberando o guarda florestal. Uma das jornalistas, que fugiu para a floresta quando o tiroteio começou, diz não acreditar na versão oficial do que aconteceu, e grupos de direitos humanos também consideram-na implausível.

A criminalidade está no coração de grande parte da destruição das florestas no mundo. Um recente relatório
do Programa de Meio Ambiente das Nações Unidas concluiu que até 90 por cento da indústria madeireira do mundo age, de uma forma ou de outra, fora da lei. Em tais circunstâncias, a violência contra aqueles que tentam proteger as florestas pode se tornar endêmica.

Foi assim que, em novembro passado, chegou ao ápice uma vendetta extraordinária contra uma família mexicana que tentava proteger as florestas do montanhoso sul do México das empresas madeireiras e barões da droga que querem limpar a área para o cultivo de maconha e papoula. Juventina Villa Mojica, líder da Organização Ambientalista Campesino de Petatlan, estava dirigindo fora da estrada numa encosta com seu filho, em busca de um lugar onde eles poderiam obter um sinal de telefone celular, quando homens armados os emboscaram. Nos dias anteriores, ela estava tentando organizar a evacuação de 45 famílias de sua aldeia perto de Coyuca de Catalão, no estado de Guerrero, que estava sob o cerco dos barões da droga. Por essa razão, ela tinha uma escolta policial. Mas a escolta desapareceu misteriosamente minutos antes de ela e seu filho morrerem sob uma saraivada de balas. No ano anterior, o marido de Villa e dois de seus outros filhos foram mortos em circunstâncias semelhantes. De acordo com um ativista de direitos humanos local, Manuel Olivares, mais de 20 membros das famílias dos Vilas foram mortos porque se recusaram a desistir das florestas. Apesar das promessas do governo, até agora ninguém foi preso.
Esses assassinatos acontecem em todo o mundo, normalmente em regiões remotas, onde é difícil estabelecer a verdade. Ela pode aparecer por acaso, quase aleatoriamente. Mas para Andy White, coordenador da ONG RIghts and Resources Initiative, que ajuda a grupos de cidadãos em luta pelo controle de seus recursos naturais, há um padrão emergente. “Como os conflitos sobre controle da terra, florestas e minerais crescem, os ativistas que querem conter as indústrias extrativistas ficam sob pressão crescente. Às vezes, eles pagam com suas próprias vidas. ”
A Global Witness, que mantém um registro sobre os assassinatos de ativistas sociais e ambientais, diz que a tendência é horrivelmente ascendente. Ela estima que o número de mortos entre ativistas dobrou na última década para mais de duas por semana. Brasil, Colômbia, Peru e Filipinas são os lugares mais perigosos para os ativistas, segundo a organização, que observa que, em algumas partes da África, nunca muitas mortes alcançam a atenção internacional.
Sombath Somphone está destinado a se juntar a eles? Este cidadão de 60 anos teve uma carreira brilhante no trabalho de desenvolvimento, incluindo consultoria para a UNESCO. Dezesseis anos atrás, ele fundou o Participatory Development Training Center (PADETC), que usa a educação para incentivar os agricultores, pescadores e outros, em particular das mulheres rurais, para participar no governo e na gestão dos recursos naturais. Sua abordagem era explicitamente budista seus 50 projetos de longo prazo incluem tudo, desde a criação de peixes à reciclagem de resíduos domésticos. O PADETC teve o reconhecimento do governo e apoio e financiamento de instituições prestígio, como a Oxfam, a União Europeia, e a Fundação McKnight, uma fundação familiar com sede em Minneapolis. Em 2005, Sombath foi citado para o Prêmio Ramon Magsaysay para ativistas sociais, muitas vezes apelidado de prêmio Nobel asiático.
Sombath parece um inimigo improvável de qualquer governo sensato. Ele é , no final das contas, um conciliador e pacificador, um líder comunitário mais que um ativista. No entanto, em 15 de dezembro, o jipe foi parado pela polícia nos arredores de Vientiane para o que parecia ser uma checagem de trânsito de rotina. Enquanto ele falava com os policiais, alguém apareceu em uma motocicleta e levou seu veículo embora. Momentos depois, um caminhão chegou, de onde saíram duas pessoas que o colocaram no veículo antes de ir embora. Tudo isso foi filmado por câmeras de segurança. Ele não foi visto desde então.
Autoridades estaduais dizem que o seqüestro não tinha nada a ver com eles, e eles não sabem nada sobre o destino de Sombath. Mas as pessoas que viram as imagens de TV dizem que é difícil entender por que a polícia não interviu – a menos que eles tivessem ordens para tanto. Elas acreditam que as autoridades devem estar envolvidas e que a razão para a súbita antipatia oficial com o gentil líder comunitário budista está em uma reunião de alto perfil que ele co-presidiu dois meses antes. O evento foi chamado Fórum dos Povos da Ásia-Europa. Isso aconteceu pouco antes do Laos ser palco de uma cimeira de chefes de Estado da Europa e Ásia. O evento foi aprovado pelo governo do Laos e reuniu cidadãos rurais para discutir seus problemas. Uma sessão era sobre grilagem de terras e alguns delegados discutiram a perda de suas terras para plantadores de borracha do Vietnã e em outros países vizinhos. Nesse ponto, as autoridades de segurança do Laos começaram a gravar o processo e depois teriam intimidado moradores e visitado suas aldeias. Vários organizadores do evento se queixaram ao governo sobre a intimidação e as ameaças e isso trouxe o assunto à atenção das agências doadoras da ONU e estrangeiras. Esses organizadores incluíram Sombath e Anne-Sophie Gindroz, o diretor local da ONG suíça Helvetas, especializada no desenvolvimento agrícola. Gindroz me disse que acreditava que a intenção do governo era usar o fórum para “identificar, monitorar e documentar tudo o que foi dito, escrito e feito” pelos indivíduos e organizações presentes. A reação irritada dos organizadores do evento evidentemente constrangiu o governo em um momento em que o mundo estava assistindo. A resposta oficial foi para escalar a disputa. Em 7 de dezembro, Gindroz se foi, acusado de conduzir uma “campanha anti-governo”, recebendo 48 horas para deixar o país. Então oito dias depois, Sombath desapareceu.
Desde então, outros ativistas fugiram do Laos, temendo por sua segurança. Os agricultores e moradores que participaram do fórum “estão sendo investigados até hoje”, diz Gindroz. Enquanto isso, o Departamento de Estado dos EUA pediram ao governo do Laos que localize Sombath. Esse apelo pode funcionar. Gindroz diz que o governo do Laos está longe de ser monolítico. Os linhas-duras vêem qualquer pessoas que defenda seus direitos como uma ameaça, mas existem elementos progressistas também. Se Sombath ainda está vivo, então a pressão internacional é vital para assegurar a sua libertação. Agora, ela diz: “Eu não tenho idéia de seu paradeiro e se ele é seguro ou não. Eu só tenho sérias preocupações e esperanças fortes. ”
* Fred Pearce é autor freelancer e jornalista baseado no Reino Unido. Ele atua como consultor ambiental para a revista New Scientist, e é autor de vários livros, incluindo When The Rivers Run Dry e With Speed and Violence.
Publicado originalmente em Yale Environment 360 - http://e360.yale.edu/feature/grisly_trend_green_activists_are_facing_deadly_dangers/2620/

Fonte: Mercado Ético

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros