Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Na falta de emissário submarino, rio Tavares é alternativa para esgoto do Sul de Florianópolis

Consórcio de empresas nacionais e japonesas contratado pela Casan apresenta estudo ambiental e técnico ao Conselho Municipal de Saneamento

Não dá para esperar pelo emissário submarino do Campeche. Enquanto a solução oceânica parece ainda muito distante por conta dos complexos estudos de impactos ambientais, o rio Tavares voltou a ser apontado como única alternativa para dar destino final ao esgoto doméstico do Sul da Ilha.

Mesmo que provisoriamente, como disse o engenheiro Rodrigo Pereira, do Consórcio Catarina San, na apresentação de estudo ambiental da bacia do rio Tavares a representantes do Conselho Municipal de Saneamento e moradores da região. O relatório ainda será submetido à Fatma (Fundação Estadual do Meio Ambiente) e ao ICMBio (Instituto Chico Mendes da Biodiversidade), que administra a Reserva Extrativista do Pirajubaé.

A intenção da Casan (Companhia Catarinense de Água e Saneamento) é licitar e encaminhar o projeto técnico já em 2014, para ter o licenciamento ambiental e iniciar a obra entre 2015 e 2017. E, assim, afastar de vez o risco de perder o financiamento de R$ 200 milhões já alocados por meio do projeto Jica, órgão do governo japonês.

O engenheiro Fábio Krieger, gerente da Unidade de Projetos Jica/Casan, explicou que o rio Tavares é a solução mais eficaz e imediata. Tecnicamente, segundo ele, não há qualquer risco de poluição. “O esgoto é tratado no sistema terciário, ou seja, a água é despejada no rio com 99% pureza”, garante.

O sistema projetado pela Casan prevê atendimento a 70 mil pessoas, em sete bairros– Pântano do Sul, Armação, Ribeirão da Ilha, Tapera, Carianos/Ressacada, Campeche e Rio Tavares.

São 200 quilômetros de rede, dos quais apenas 50 já foram implantados, que conduzirão os dejetos até a ETE (Estação de Tratamento de Esgoto), na Cachoeira do Rio Tavares, em terreno antes utilizado como campo de futebol do Zaire Futebol Clube, o time amador da comunidade. Da estação elevatória, os efluentes tratados serão despejados no rio, até chegarem na baía sul.

Consórcio junta técnicos nacionais e japoneses

O Consórcio Catarina San é formado por quatro empresas - as nacionais  Engevix Engenharia S/A e Prosul Projetos, Supervisão e Planejamento Ltda,  e as japonesas  Chuo Kaihatsu Corporation e Nippon Koei  Co Ltd. Foi contratado para fazer consultoria na revisão e atualização  dos projetos de implantação e expansão da rede de esgotos em Florianópolis, Balneário Barra do Sul, Penha, Piçarras e Bombinhas. 

Prefeitura e comunidade fazem restrições

A prefeitura aceita com restrições a utilização do rio Tavares no sistema de tratamento de esgoto do Sul da Ilha. O engenheiro Elson Passos, que representou a Secretaria Municipal de Habitação na reunião de ontem com técnicos do Consórcio Catarina San, explica que a perspectiva é de alternativa provisória. “Mesmo assim, é um avanço. Trata-se de estudo para lançamento de efluentes. Situação mais grave é o despelo de esgoto bruto naquela bacia”, reconhece.

Para Murilo Silva, 35, representante comunitário no Conselho Municipal de Saneamento, o que preocupa é o conceito de “provisório” em Florianópolis. Morador no Morro das Pedras, Silva ouviu atentamente as explicações técnicas do Consórcio Catarina San, mas não ficou totalmente convencido da eficácia do sistema.

“Tem a questão ambiental, o rio corta a Reserva Extrativista do Pirajubaé e deságua na baía sul, já saturada de esgoto sem tratamento”, pondera. Silva argumenta que a proposta deve ser melhor estudada e discutida por técnicos e demais segmentos envolvidos.

A solução definitiva para o esgoto do Sul da Ilha, segundo o engenheiro Fábio Krieger, da Casan, é o emissário oceânico do Campeche. Como também é mais complexa, ele aposta no rio Tavares como saída provisória. 

“Hoje, a maioria da população daquela região despeja esgoto bruto na bacia. Mesmo em casas com fossas sépticas individuais, o tratamento representa apenas 50% dos resíduos”, argumenta. 

Fonte: Notícias do Dia

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros