Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

sexta-feira, 4 de maio de 2018

Cobertura de gelo no Mar de Bering está muito abaixo da média para esta época do ano

Em seu ritmo anual de crescimento e degelo, o gelo do mar em todo o Oceano Ártico geralmente recua durante a primavera. Mas nem toda região se derrete igualmente. No final de abril de 2018, a cobertura de gelo no Mar de Bering estava muito abaixo da média para a época do ano.


Situado no extremo norte do Oceano Pacífico, o Mar de Bering se conecta ao Oceano Ártico através do Estreito de Bering – a única conexão entre os dois oceanos. À medida que a borda da bolsa de gelo se derrete e recua a cada primavera, ela libera água doce e nutrientes para a água do mar. Mudanças no tempo e localização da água de degelo podem afetar as florações do fitoplâncton que, por sua vez, podem afetar todo o ecossistema de Bering.

Os mapas abaixo mostram a extensão do gelo marinho no Mar de Bering em 29 de abril de 2018 em comparação com condições mais normais em 29 de abril de 2013. Todas as áreas brancas tinham uma concentração de gelo de pelo menos 15% (o mínimo no qual as medições baseadas no espaço fornecem uma medida confiável) e cobriam uma área total que os cientistas chamam de “extensão do gelo”.

“É o final de abril e basicamente o Mar de Bering está livre de gelo, quando normalmente haveria mais de 500.000 quilômetros quadrados de gelo”, disse Walt Meier, cientista do Centro Nacional de Dados de Neve e Gelo. “É em um nível recorde de baixa para a maior parte de 2018, e tem sido continuamente um recorde de baixa desde 12 de fevereiro.”

A queda no gelo do Mar de Bering desempenhou um papel na baixa extensão máxima quase recorde em todo o Ártico em 2018 . Mas, mesmo antes de atingir o máximo anual, as condições incomuns foram o palco durante o inverno de 2017-2018. O congelamento anual começou tarde, e algumas áreas viram pouco ou nenhum gelo em terra firme . De acordo com um resumo das condições do International Arctic Research Center e NOAA, este inverno trouxe menos gelo no Mar de Bering do que qualquer inverno desde o início dos registros escritos em 1850.

“Este inverno está muito abaixo de qualquer estação anterior”, disse o meteorologista Rick Thoman, do Serviço Nacional de Meteorologia da NOAA, região do Alasca, “mas a recente série de invernos amenos preparou as pessoas para esperarem algo ruim como esse”.

John Walsh, cientista-chefe do Centro Internacional de Pesquisa do Ártico da Universidade do Alasca Fairbanks, explicou o que poderia ter causado o baixo gelo marinho sem precedentes no Mar de Bering este ano. “Em essência, vemos isso como uma ‘tempestade perfeita’ de três fatores: temperaturas acima do normal durante o outono e início do inverno, águas quentes no Mar de Bering e um dos invernos mais tempestuosos nos últimos 70 anos (embora não o mais tempestuoso).




Na primavera, a extensão do gelo do mar mediu 61.704 quilômetros quadrados em 29 de abril de 2018. A série de mapas acima coloca o gelo naquele dia em contexto com gelo na mesma data desde 2013. Por exemplo, a extensão em 29 de abril de 2013 foi 679.606 quilômetros quadrados, mais perto da média 1981-2010 (linha preta no gráfico abaixo dos mapas). O gelo marinho no final de abril de 2018 era de cerca de 10% do normal.

Referências e Leitura Adicional

International Arctic Research Center, University of Alaska Fairbanks (2018, April 9) New summary available on Bering Strait winter 2018 sea ice conditions. Accessed May 2, 2018.
NASA Earth Observatory (2017, October 18) A Regional Look at Arctic Sea Ice.
National Snow & Ice Data Center (2018) Sea Ice Spatial Comparison Tool. Accessed May 2, 2018.
NOAA (2018, April 16) In the coastal communities near the Bering Strait, a winter unlike the rest. Accessed May 2, 2018.
NOAA, Bering Climate How does ice cover vary in the Bering Sea from year to year? Accessed May 2, 2018.
Scientific American (2018, May 2) Shock and Thaw—Alaskan Sea Ice Just Took a Steep, Unprecedented Dive. Accessed May 2, 2018.
Imagens do Observatório da Terra da NASA, de Joshua Stevens, usando dados do Centro Nacional de Dados de Neve e Gelo. Texto de Kathryn Hansen.


* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

Fonte: EcoDebate

Eco & Ação

Ecologia

Loading...

Postagens populares

Parceiros