Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Estudo indica que o aquecimento dos oceanos, pelas mudanças climáticas, deve reduzir o tamanho dos peixes

Espera-se que os peixes encolham em tamanho, de 20 a 30 por cento, se a temperatura do oceano continuar a subir devido a mudanças climáticas.


Um novo estudo realizado por pesquisadores da Universidade da Colúmbia Britânica fornece uma explicação mais profunda porque, com as mudanças climáticas e o aquecimento das águas, os peixes devem diminuir em tamanho.

“Os peixes, como animais de sangue frio, não podem regular suas próprias temperaturas corporais. Quando as águas ficam mais quentes, seu metabolismo acelera e eles precisam de mais oxigênio para sustentar suas funções corporais ”, disse William Cheung, coautor do estudo, professor associado do Institute for the Ocean and Fisheries e diretor de ciência da Nippon Foundation -Programa do NÚCLEO da UNIBA. “Há um ponto em que as brânquias não podem fornecer oxigênio suficiente para um corpo maior, então o peixe simplesmente para de crescer”.

Daniel Pauly, principal autor do estudo e pesquisador principal do Sea Around Us, no Instituto para o Oceano e as Pescas, explica que, à medida que o peixe cresce até a idade adulta, sua demanda por oxigênio aumenta porque a massa corporal dele se torna maior. No entanto, a área superficial das brânquias – onde o oxigênio é obtido – não cresce ao mesmo ritmo que o resto do corpo. Ele chama este conjunto de princípios, que explica por que os peixes devem encolher, de “teoria da limitação de oxigênio branquial”.

Por exemplo, um peixe como o bacalhau aumenta seu peso em 100 por cento, suas brânquias só crescem em 80 por cento ou menos. Quando entendido no contexto da mudança climática, esta regra biológica reforça a predição de que o peixe diminuirá e será ainda menor do que o avaliado em estudos anteriores.

As águas mais quentes aumentam a necessidade de oxigênio do peixe, mas a mudança climática resultará em menos oxigênio nos oceanos. Isso significa que as brânquias têm menos oxigênio para fornecer a um corpo que já cresce mais rápido do que elas. Os pesquisadores dizem que isso obriga o peixe a parar de crescer em um tamanho menor para poder atender às suas necessidades com pouco oxigênio disponível para eles.

Algumas espécies podem ser mais afetadas por essa combinação de fatores. O atum, que se movimenta rapidamente e requer mais energia e oxigênio, pode encolher ainda mais quando as temperaturas aumentam.

Peixes comerciais de tamanho menor do que agora terão um impacto na produção pesqueira, bem como a interação entre organismos nos ecossistemas.

O estudo de Pauly e Cheung “Sound physiological knowledge and principles in modeling shrinking fishes under climate change” foi publicado na Global Change Biology doi: 10.1111 / gcb.13831.



* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate

Fonte: EcoDebate

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros