Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Resíduos de carvão podem acelerar as emissões de CO2 após incêndios florestais

O carvão que permanece após um incêndio florestal ajuda a decompor raízes finas no solo, potencialmente acelerando as emissões de CO 2 nas florestas boreais.


 As florestas boreais são um enorme depósito de carbono. As raízes finas, não apenas as folhas, hastes e galhos de árvores, contribuem amplamente para a acumulação de carbono. O Extremo Oriente russo teve um número cada vez maior de incêndios florestais, muitos dos quais pelas atividades humanas. A queima de árvores em incêndios florestais naturalmente causa a emissão de CO2, mas pouco se sabe sobre a medida em que o carvão derivado do fogo influencia os processos do ecossistema, como a decomposição da matéria orgânica do solo.

Os pesquisadores, incluindo o pesquisador sênior da Academia de Ciências da Rússia, Semyon Bryanin e o professor assistente da Universidade de Hokkaido, Makoto Kobayashi, realizaram experiências de campo ao longo de 515 dias, incubando raízes finas com diferentes concentrações de carvão vegetal no solo. A perda de massa de raízes finas foi medida em cada uma das quatro condições ao longo de quase dois anos: controle (sem carvão); conteúdo médio de carvão medido no campo; duas vezes o teor médio de carvão medido no campo; e conteúdo de carvão igual à concentração máxima no campo.

De acordo com os resultados, o carvão teve pouco efeito sobre a decomposição de raízes finas logo após terem sido enterradas no solo. Mas no final do experimento, a perda de massa radicular em amostras incubadas com maiores concentrações de carvão foi maior (teor duplo: 40 por cento, teor máximo: 42 por cento) do que no controle (30 por cento) e as condições médias de conteúdo ( 27 por cento). “Nosso estudo forneceu a primeira evidência de campo de que o carvão derivado do fogo pode acelerar a decomposição de raízes finas de larício e consequentemente as emissões de CO2 da floresta boreal”, diz Makoto Kobayashi.

A descoberta provavelmente ajudará a prever mudanças futuras na concentração de CO2 na atmosfera, caso mais incêndios florestais sejam desencadeados pelo aquecimento global e atividades humanas.

Referência:

Bryanin S.V., et al., Fire-derived charcoal might promote fine root decomposition in boreal forests, Soil Biology and Biochemistry, 116 (2018) 1–3.
DOI: 10.1016/j.soilbio.2017.09.031
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0038071716306575?via%3Dihub

Fonte: EcoDebate

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros