Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

terça-feira, 25 de setembro de 2018

Água contaminada afeta quase 60% dos pacientes com doenças gástricas em Campina Grande, por João Suassuna

Meus Prezados,

Em 2016, publiquei um artigo no EcoDebate intitulado, “A questão hídrica atual do Nordeste seco”, no qual, dentre outras questões, abordei o assunto do acometimento de  doenças em populações abastecidas com águas de má qualidade.


Nesse artigo, me referia às águas do Rio São Francisco, quando utilizadas para fins de abastecimento humano. Ao ler a matéria do G1 PB, me deparo com uma situação que já vinha tratando como certa, nas minhas atividades profissionais diárias. Segundo a matéria, cerca de 60% dos pacientes com doenças gástricas, em Campina Grande, foram afetados com algum contaminante existente nas águas ali servidas.

Ora, a principal fonte de abastecimento dos campinenses é o açude de Boqueirão de Cabaceiras, o qual foi alimentado, recentemente, com as águas do Santo Chico, por intermédio do projeto da Transposição. Uma coincidência muito grande, que eu particularmente não gostaria que tivesse ocorrido. Mas o fato é que ela ocorreu, e o assunto é grave! Quando um projeto dessa envergadura apresenta problemas técnicos, os engenheiros e profissionais da área vão lá e resolvem esses problemas.

Mas no caso de surtos de doenças em populações, ocasionados por vetores veiculados pela água que está sendo ofertada, a questão muda de figura e precisa ser encarada sob outra ótica, porque, no caso, estão em jogo vidas humanas. A questão de Boqueirão é agravada, ainda, pela existência de denúncias de fortes odores de esgotos e de sabores estranhos em suas águas, o que nos leva a concluir pela possibilidade de que as águas do Rio São Francisco já possam ter alguma influência nesse quadro.

Creio que acendeu a luz amarela para que as autoridades comecem a tomar as providências necessárias, na condução desse assunto, tendo em vista a possibilidade do agravamento da situação.

A região está fora de sua quadra chuvosa, o projeto da Transposição está momentaneamente paralisado, devido a reparos no Eixo Leste do projeto, e a represa continua enviando água para Acauã (açude localizado a sua jusante) e, todo esse processo, juntamente com a intensa evaporação existente no espelho d´água de Boqueirão, tende ao aumento da concentração de poluentes no interior da represa.

É preciso celeridade para a solução desses problemas, a fim de que os campinenses possam voltar à normalidade de suas vidas. Circulei a informação em rede e a encaminhei para edição no  Observa Fundaj


João Suassuna – Eng° Agrônomo e Pesquisador da Fundação Joaquim Nabuco

Fonte: EcoDebate

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros