Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Pesquisadores investigam técnicas tradicionais de cultivo para viver com escassez de água

Incêndios florestais, falta de água e quebra de safra – esses foram os efeitos do verão de 2018 em grande parte da Europa. Os cientistas do clima pedem novas políticas agrícolas, dizendo que os agricultores precisam se preparar para maiores extremos de temperatura e clima.
Universitaet Tübingen*


Pesquisadores do Centro de Pesquisas Colaborativas de Tübingen (SFB) ResourceCultures estão investigando como sociedades agrárias no passado aprenderam a lidar com calor e aridez enquanto ainda produziam alimentos.

“A falta de água é um problema e há muitos exemplos históricos dela”, diz a Dra. Laura Dierksmeier, que está pesquisando economias insulares no início da era moderna como parte de um projeto da ResourceCultures. “Mas, como mostra a história, existem tantas soluções. Podemos encontrar abordagens viáveis para o futuro, olhando para o passado. ”A água como um recurso é um fator importante, aponta Dirksmeier. Sua disponibilidade e distribuição podem, em última instância, sustentar a estabilidade e a cooperação social.

As paisagens Dehesa do sul da Península Ibérica são um excelente exemplo: há milhares de anos, os agricultores de lá tiveram que sobreviver aos longos e secos verões. Em um projeto interdisciplinar, o porta-voz do SFB, professor Martin Bartelheim, e uma equipe de arqueólogos estão trabalhando com antropólogos culturais liderados pelo professor Roland Hardenberg, da Universidade de Frankfurt, para examinar a formação e o uso do Dehesa. Os bosques característicos de carvalhos e oliveiras foram plantados entre 2.800 e 4.000 anos atrás – e sobreviveram a todas as mudanças climáticas desde então. Os animais domesticados nativos – porcos Ibéricos, ovelhas Merino e ovelhas Retinta e caprinos – têm pastado o Dehesa desde a Idade do Bronze. Tanto os animais como a paisagem são ideais para as condições climáticas.

Soluções antigas para o problema do abastecimento de água são o foco dos arqueólogos Dr. Frerich Schön e Hanni Töpfer, liderados pelo professor Thomas Schäfer, em outro projeto que trata de mais de cem cisternas nas ilhas italianas de Linosa e Pantelleria. As cisternas continham entre cinco e 100 metros cúbicos de água. Eles foram cortados na rocha por colonos púnicos do século VIII aC e depois expandidos pelos romanos. Alguns desses poços de armazenamento de água subterrânea ainda estão em uso hoje. Tais sistemas eram essenciais para evitar o transporte de mão-de-obra intensiva, particularmente em áreas com pouca água subterrânea. As cisternas subterrâneas são relativamente fáceis de manter e mantêm a água fresca e limpa. Eles também ajudam a evitar a erosão do solo, recolhendo o excesso de água na chuva pesada.

Os pesquisadores também estão analisando os efeitos da escassez de água a longo prazo nas respectivas sociedades. A historiadora Dra. Laura Dierksmeier, liderada pelos professores Renate Dürr e Jörn Stäcker, está investigando as ramificações econômicas e sociais da escassez de água nas sociedades insulares do final da Idade Média e da Idade Moderna. As ilhas muitas vezes não têm água potável e são, portanto, particularmente vulneráveis.

Dierksmeier encontrou uma conexão clara entre renda e acesso a água limpa. Nas Ilhas Canárias e nas Ilhas Baleares, isso levou a tensões sociais, conflitos e criminalidade. Doenças eclodiram porque não havia água suficiente para higiene pessoal e para manter os hospitais limpos. Crianças e idosos foram os mais afetados. Numa tentativa de melhorar a situação, a água foi alocada a indivíduos em um sistema de cotas. Isso foi feito para garantir que esse recurso escasso chegasse às pessoas que mais precisavam. Mas teve o efeito oposto: um recurso geral lentamente se tornou uma mercadoria a ser vendida pelo maior lance. A “polícia da água” foi introduzida para determinar quem era o dono da água, para verificar a qualidade da água e punir quem a poluísse.

Fonte: EcoDebate

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros