Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

domingo, 30 de novembro de 2014

Pesquisadores da USP criam caixas desmontáveis com sobras da cana

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), em Pirassununga (SP), desenvolveram caixas feitas com resíduos de cana-de-açúcar que eram descartados. A invenção surge para facilitar o transporte de frutas, legumes e bebidas, além de ser uma alternativa para que restos de materiais não aproveitados se transformem em produtos e ganhem valor de mercado.


As caixas foram criadas em uma parceria entre dois institutos da USP, o de Engenharia de Biosistemas e o de Engenharia de Alimentos. Foram feitos, inicialmente, três modelos: uma embalagem para legumes e frutas; outra para transportar bebidas e uma terceira desmontável.

A pesquisa durou cinco anos e muitas etapas de produção. Em um primeiro momento, é preciso moer o bagaço da cana, que foi seco em uma estufa. Depois, é utilizada resina de óleo de mamona, misturada ao bagaço por meio de uma batedeira industrial. A mistura vai para uma prensa aquecida, onde fica 10 minutos a uma temperatura de 100 graus, gerando uma placa sólida, parecida com aglomerados de madeira.

“O aproveitamento dos caminhões pode ser otimizado a partir do momento em que se entrega as frutas. No retorno, muitas vezes o caminhão pode voltar vazio. Como as embalagens ocupam muito espaço, se elas puderem ser desmontadas proporcionam esse espaço para a utilização do próprio caminhão no retorno. É uma forma de otimizar a utilização do espaço do veículo”, explicou a professora de Engenharia de Alimentos da USP, Maria Teresa Freire.

Sobras de valor – De acordo com a União da Indústria da Cana de Açúcar (Unica), a cada tonelada de cana moída, são gerado pelo menos 250 quilos de bagaço, dos quais 91% são utilizados na produção de combustíveis e 9% são sobras. Além do bagaço da cana, os pesquisadores também fizeram testes com sobras de outros pontos da agricultura.

“É uma forma de incorporar valor a esses materiais que eram descartados e podiam prejudicar o meio ambiente. Estamos utilizando, por exemplo, a fibra da casca do coco verde, casca de amendoim, casca de aveia e outros subprodutos do setor agroindustrial”, contou o professor de Engenharia de Biosistemas, Juliano Fiorelli.

Segundo a comerciante Ana Cláudia Flores, as caixas vão facilitar o transporte de mercadorias. “Não é pesada, não amassa a fruta porque é macia, não é áspera, dura e a dona de casa dá conta de carregar. Achei maravilhoso”, relatou.

A psicóloga Gabriela Gomes se diz aliviada e aposta na consciência ecológica. “Essa reutilização é muito importante, assim como reciclar e reutilizar. É uma caixa excelente e de ótima qualidade”, contou. 

Fonte: G1

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros