Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Distrito Federal proíbe comércio de alimentos não saudáveis nas escolas

As instituições de ensino têm 90 dias para se adequar às novas regras.


No Distrito Federal, as cantinas de escolas públicas e privadas não podem mais vender doces, refrigerantes, frituras e produtos industrializados. O decreto foi publicado pelo governo distrital há cerca de duas semanas, sendo a primeira unidade da Federação a assinar o Pacto Nacional pela Alimentação Saudável.

As instituições de ensino têm 90 dias para se adequar às novas regras. O secretário distrital de Trabalho, Desenvolvimento Social e Direitos Humanos, Joe Valle, explica que o objetivo é defender a saúde das crianças. “A boa saúde implica numa boa alimentação, pois é na escola que as crianças passam a maior parte do tempo. Elas aprendem, na sala de aula, sobre boa alimentação, mas no intervalo entre as aulas encontram alimentos gordurosos, bebidas açucaradas e frituras.”

A partir do próximo ano, as cantinas no DF só poderão comercializar legumes, sucos naturais, iogurte, bebidas lácteas, sanduíches naturais sem maionese, pães e biscoitos integrais, tortas ou salgados assados e barras de cereais sem chocolate. Elas também deverão oferecer, diariamente, pelo menos uma variedade de fruta da estação in natura, inteira ou em pedaços.

Valle destaca que o padrão de alimentação pouco saudável tem causado uma verdadeira epidemia de obesidade nas crianças, gerando sérios problemas de saúde. “Com a questão do Pacto Nacional, a regulamentação da lei assume um papel extremamente importante para o governo, e nós estamos fazendo essa construção para conseguir diminuir definitivamente os índices”. Segundo ele, 20% dos alunos da rede pública de ensino estão com sobrepeso ou obesidade.

Outros governos estaduais e prefeituras já solicitaram adesão ao Pacto. A meta é que em 2016 todo o Brasil esteja envolvido nessa agenda, principalmente as grandes cidades onde o problema da má alimentação é mais grave.

Fonte: Ciclo Vivo

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros