Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Empreendimento ilegal desmata 10 mil m2 e leva riscos à represa Guarapiranga

O que se vê é uma enorme faixa de desmatamento que chega até a represa, onde casas já começam a ser construídas.


A Guarapiranga é um dos principais mananciais e reservatórios de abastecimento hídrico da cidade de São Paulo. No entanto, não é de hoje que a represa sofre com o desmatamento e com a ocupação irregular no seu entorno. Uma denúncia feita pelo G1 mostrou recentemente mais um desses casos. Um empreendimento imobiliário que já devastou dez mil metros quadrados da mata ciliar da represa.
De acordo com a reportagem, as casas irregulares têm sido construídas em um terreno localizado a apenas 150 metros da represa. A área, que deveria ser de proteção ambiental, não poderia ser usada para fins imobiliários. Sendo parte da Mata Atlântica, as únicas atividades permitidas para o local seriam lazer e agricultura sustentável. Mas, o que se vê é bem diferente disso.
A primeira vez que o empreendimento foi denunciado pela equipe de reportagem foi em outubro de 2015, no início das obras. Meses depois, o que se vê é uma enorme faixa de desmatamento que chega até a represa, enquanto as casas já começam a ser construídas, os lotes demarcados e até ruas planejadas.

O terreno, que já pertenceu ao Clube de Regatas Tietê, foi vendido à empresa Minha Casa, Meu Doce Lar por R$ 15 milhões. Ilegalmente, a empreiteira dividiu o lote e iniciou a venda dos espaços para fins imobiliários.
As obras representam diversos perigos à represa Guarapiranga. Além de destruir o bioma original, o desmatamento também colabora para o empobrecimento do solo e poluição dos recursos hídricos.
Ao ser questionada, a Prefeitura de São Paulo informou que a subprefeitura de Capela do Socorro já havia embargado a obra e multado o loteamento irregular, que também foi embargado pela Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) e não tem autorização ambiental. No entanto, mesmo com as proibições, as obras continuam.

Fonte: Ciclo Vivo

Eco & Ação

Ecologia

Loading...

Postagens populares

Parceiros