Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Aumento da temperatura associada às mudanças climáticas acelera a evaporação do Mar Cáspio

O maior corpo de água do planeta terrestre tem evaporado lentamente nas últimas duas décadas, devido ao aumento das temperaturas associadas à mudança climática, revela um novo estudo.


Os níveis de água no mar do Cáspio caíram quase 7 centímetros (3 polegadas) por ano de 1996 a 2015, ou quase 1,5 metro (5 pés) de total, de acordo com o novo estudo. O nível atual do mar Cáspio é apenas cerca de 1 metro (3 pés) acima do menor nível histórico, alcançado no final da década de 1970.

O aumento da evaporação sobre o Mar Cáspio foi associado ao aumento da temperatura do ar superficial. De acordo com os dados do estudo, a temperatura média anual da superfície sobre o Mar Cáspio aumentou cerca de 1 grau Celsius (1,8 graus Fahrenheit) entre os dois períodos de tempo estudados, 1979-1995 e 1996-2015. Estas temperaturas crescentes são, provavelmente, resultado de mudanças climáticas, de acordo com os autores do estudo.

A evaporação provocada pelas temperaturas do aquecimento parece ser a principal causa da queda atual do nível do mar e o declínio provavelmente continuará à medida que o planeta aquecer, de acordo com os autores do estudo, publicado em Geophysical Research Letters

O Mar Cáspio, localizado entre a Europa e a Ásia, é aproximadamente do tamanho do estado de Montana, EUA, com 371 mil quilômetros quadrados (143,244 milhas quadradas). Tem experimentado mudanças substanciais em seu nível de água nos últimos centenas de anos, mas estudos anteriores não conseguiram identificar as causas exatas das mudanças no nível do mar.

O Mar Cáspio é limitado por cinco países e contém uma abundância de recursos naturais e uma vida selvagem diversificada. Também contém reservas de petróleo e gás natural e é um recurso importante para a pesca nos países vizinhos.

O novo estudo começou depois que Wilson e Jianli Chen, o principal autor do estudo do Centro de Pesquisa Espacial da Universidade do Texas em Austin, unidos a outros pesquisadores, usaram o Mar Cáspio para calibrar dados dos satélites gêmeos da missão GRACE lançada em 2002. Ao comparar as medidas do mar Cáspio dos dados da GRACE e das medições baseadas na Terra, os pesquisadores ajudaram a melhorar a precisão dos dados do satélite. Ao fazê-lo, eles notaram que os níveis de água do Mar Cáspio estavam sofrendo mudanças significativas.

Os pesquisadores analisaram as três principais influências sobre os níveis de água do mar Cáspio: água dos rios que drenam para o mar, precipitação e evaporação.

Eles compilaram informações sobre mudanças de nível de água, observadas pelos satélites, registros de precipitação e drenagem no mar a partir de rios, e estimativas de precipitação e evaporação de modelos climáticos. Os pesquisadores então reuniram um registro de quanto cada um desses fatores contribuiu para mudanças observadas no nível do Mar Cáspio de 1979 a 2015.

Eles encontraram que os níveis do Mar Cáspio aumentaram em cerca de 12 centímetros (5 polegadas) por ano de 1979 a 1995. Mas em 1996, os níveis do mar começaram a cair e diminuíram em média quase 7 centímetros por ano até 2015. De 1996 a 2015, o nível do Mar Cáspio caiu quase 1,4 metro (4.5 pés), de acordo com os registros do nível do mar usados no estudo.

A evaporação contribuiu para cerca de metade desse declínio, enquanto os efeitos combinados das mudanças de precipitação e descarga do rio contribuíram para a outra metade. De acordo com o estudo, as taxas de evaporação observadas estão associadas ao aumento da temperatura do ar superficial e outros fatores climáticos, como a umidade da superfície e o vento.

O novo estudo fornece a primeira prova convincente de que o aumento da evaporação sobre o Mar Cáspio é uma força motriz mais importante da mudança do nível do mar do Cáspio do que a descarga ou precipitação do rio, diz Anny Cazenave, um geodesista espacial do CNES, do Laboratório de Estudos em Geofísica e Océanografia Spatiales (LEGOS), no Observatoire Midi-Pyrénées em Toulouse, França, que não esteve envolvido no novo estudo.

A evaporação terá o maior impacto na parte norte do Mar Cáspio porque grande parte da água naquela área é inferior a 5 metros (16 pés) de profundidade. Se a tendência atual de uma redução de 7 centímetros por ano continuar a uma taxa constante, levaria cerca de 75 anos para que a parte norte do mar desapareça, de acordo com o novo estudo.

O mar do Cáspio suporta muitas espécies antigas e antigas que ficaram de quando o mar fazia parte do Oceano de Tethys durante a era do Mesozóico, aproximadamente 300 milhões de anos atrás. Embora a maioria dessas espécies viva nas regiões do sul e do meio do Mar Cáspio, algumas usam a área do norte rasa como terreno de reprodução, incluindo 90 por cento dos esturjões do mundo . A queda do nível do mar também afetaria a baía de Kara-Bogaz-Gol, no lado leste do mar, com menos de 5 metros de profundidade e contém um dos maiores depósitos naturais de sais marinhos do mundo , de acordo com os autores do estudo .

Embora este estudo tenha identificado as tendências no nível do mar e suas causas, os pesquisadores não projetaram estimativas específicas de como esses níveis podem mudar no futuro.

Referência:
Chen, J. L., T. Pekker, C. R. Wilson, B. D. Tapley, A. G. Kostianoy, J.-F. Cretaux, and E. S. Safarov (2017), Long-term Caspian Sea level change, Geophys. Res. Lett., 44, 6993–7001, doi:10.1002/2017GL073958.
http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/2017GL073958/pdf



* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate

Fonte: EcoDebate

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros