Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Câmara de Lisboa concessiona terrenos e jazigos em cemitérios

A Câmara de Lisboa promove, no final de outubro, uma hasta pública para concessionar terrenos e jazigos nos cemitérios dos Prazeres, Ajuda, Olivais e Alto de São João, com preços entre os 1.936 e os 12.958 euros.


Segundo uma informação hoje publicada no ‘site’ do município, a hasta decorre no dia 26 de outubro pelas 10:00 no edifício da autarquia no Campo Grande, e implica “normas para a execução das obras de limpeza e recuperação” dos jazigos.

As normas publicadas boletim municipal especificam que “deverá sempre ser feita uma limpeza geral do jazigo” bem como um alargamento e colocação de betuminoso nas juntas da estrutura.

Em causa estão 29 terrenos e jazigos por concessionar.

Os jazigos de valor mais baixo de licitação (1.936 euros) situam-se no cemitério da Ajuda, em formato de capela, e necessitam de reabilitação.

Já o espaço com valor mais elevado (12.958 euros) na hasta corresponde a um lote de terreno para construção, com mais de sete metros quadrados, no cemitério dos Prazeres.

A 24 de outubro, dias antes desta hasta pública, decorre uma outra para a alienação de “vários tipos de lotes de materiais obsoletos existentes nas instalações da Câmara de Lisboa”.

Os valores base de licitação variam consoante o material a alienar, começando nos 160 euros por tonelada de sucata diversa ferrosa e passando por 180 euros por tonelada de equipamentos e contentores de metal.

Os preços mais altos referem-se à sucata não ferrosa, cuja tonelada custa 650 euros, e ao chumbo (proveniente da atividade dos cemitérios), que tem um valor de 850 euros por tonelada.

As propostas podem ser enviadas por correio em envelope opaco e fechado ou entregues por mão própria até às 13:00 do dia anterior à sessão, 23 de outubro, adianta o município.

A Câmara de Lisboa tem vindo a fazer este tipo de hastas públicas, mas mais destinadas à alienação de edifícios municipais considerados como não estratégicos para a autarquia.

Fonte: Jornal Sapo 24

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros