Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

segunda-feira, 3 de setembro de 2018

Estudo alerta que é necessário agir com vigor antes de 2035, para manter o aquecimento abaixo de 2°C

Se os governos não agirem de forma decisiva até 2035 para combater a mudança climática, a humanidade poderá cruzar um ponto sem retorno, após o que limitar o aquecimento global abaixo de 2°C em 2100 será improvável, segundo um novo estudo realizado por cientistas do Reino Unido e da Holanda.

European Geosciences Union (EGU)*

A pesquisa também mostra que o prazo para limitar o aquecimento a 1,5°C já passou, a menos que uma ação climática radical seja tomada. O estudo foi publicado na revista European Geosciences Union Earth System Dynamics .

“Em nosso estudo, mostramos que há prazos rigorosos para a adoção de medidas climáticas”, diz Henk Dijkstra, professor da Universidade de Utrecht, na Holanda, e um dos autores do estudo. “Concluímos que resta muito pouco tempo antes que as metas de Paris [de limitar o aquecimento global a 1,5°C ou 2°C] se tornem inviáveis, mesmo com estratégias drásticas de redução de emissões”.

Dijkstra e seus colegas do Centro Utrecht de Estudos Complexos de Sistemas e da Universidade de Oxford, no Reino Unido, queriam encontrar o “ponto sem retorno” ou prazo para a ação climática: o último ano possível para começar a cortar fortemente as emissões de gases do efeito estufa tarde para evitar mudanças climáticas perigosas. “O conceito de ‘ponto sem retorno’ tem a vantagem de conter informações sobre o tempo, o que consideramos muito útil para informar o debate sobre a urgência de tomar ações climáticas”, diz Matthias Aengenheyster, pesquisador de doutorado da Universidade de Oxford e principal autor do estudo. .

Usando informações de modelos climáticos, a equipe determinou o prazo para iniciar a ação climática para manter o aquecimento global provável (com uma probabilidade de 67%) abaixo de 2°C em 2100, dependendo de quão rápido a humanidade pode reduzir as emissões usando mais energia renovável. Assumindo que poderíamos aumentar a quota de energias renováveis em 2% todos os anos, teríamos que começar a fazê-lo antes de 2035 (o ponto sem retorno). Se reduzíssemos as emissões a uma taxa mais rápida, aumentando a quota de energias renováveis em 5% por ano, compraríamos mais 10 anos.

Os pesquisadores alertam, no entanto, que até mesmo seu cenário mais modesto de ação climática é bastante ambicioso. “A quota de energia renovável refere-se à parte de toda a energia consumida. Isso aumentou ao longo de mais de duas décadas, de quase nada no final dos anos noventa para 3,6% em 2017, de acordo com o BP Statistical Review, portanto o aumento [anual] na participação de renováveis tem sido muito pequeno ”, diz Rick van der Ploeg, professor de economia na Universidade de Oxford, que também participou do estudo Earth Dynamics System. “Considerando a velocidade lenta das transformações políticas e econômicas em grande escala, a ação decisiva ainda é justificada, já que o cenário de ação modesta é uma grande mudança em comparação com as taxas de emissão atuais”, acrescenta ele.

Para provavelmente limitar o aquecimento global a 1.5°C em 2100, a humanidade teria que tomar uma forte ação climática muito mais cedo. Nós só teríamos até 2027 para começar a aumentar a participação das renováveis a uma taxa de 5% ao ano. Já passamos do ponto sem retorno para o cenário de ação climática mais modesto, onde a participação das renováveis aumenta em 2% a cada ano. Nesse cenário, a menos que removamos o dióxido de carbono da atmosfera, não é mais possível atingir a meta de 1,5°C em 2100, com uma probabilidade de 67%.

Remover os gases do efeito estufa da atmosfera, usando a tecnologia de ‘emissões negativas’, poderia nos dar um pouco mais de tempo, de acordo com o estudo. Mas mesmo com fortes emissões negativas, a humanidade só seria capaz de atrasar o ponto de não retorno em 6 a 10 anos.

“Esperamos que ‘ter um prazo’ possa estimular o senso de urgência de agir por políticos e formuladores de políticas”, conclui Dijkstra. “Pouco tempo resta para atingir as metas de Paris.”

Referência:

Aengenheyster, M., Feng, Q. Y., van der Ploeg, F., and Dijkstra, H. A.: The point of no return for climate action: effects of climate uncertainty and risk tolerance, Earth Syst. Dynam., 9, 1085–1095, https://doi.org/10.5194/esd-9-1085-2018, 2018

Fonte: EcoDebate

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros