Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Mudanças climáticas: escutem o homem ou assumam o prejuízo!

A imprensa parece cada vez mais alimentar sua bipolaridade e idiossincrasias. Quando o assunto envolve ciência de um lado e interesses econômicos de outro, o surto psicótico é geral.
Sempre surgem os argumentos sobre a necessidade de fornecer panoramas completos no noticiário, da pluralidade e outros contos da carochinha que só servem para iludir quem não é do meio. O bloco do ‘engana público’ sai porta afora, sem pudores, a cumprir os desejos de suas anomalias.

O dia 30 de outubro de 2014 ficará na história da imprensa nacional, se é que ela se apercebeu disto. Repórteres especializados, generalistas, editores agitados, blogueiros de meia cura, a mídia engajada, a de ar solene, a displicente, a pseudoengajada e toda a fauna existente escutou por duas horas um dos mais brilhantes cientistas brasileiros, Antonio Donato Nobre,  e integrante do Centro de Ciência do Sistema Terrestre, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) lançar o relatório “O Futuro Climático da Amazônia” numa linguagem para leigos, para o cidadão mediano conseguir compreender o desastre do desmatamento.

E mesmo – literalmente – desenhando, como está fazendo nas redes sociais com o projeto Árvore, Ser Tecnológico, choveram dúvidas no deserto da ignorância. Logo Nobre se apercebeu de algo, o jornalista brasileiro não lê o material que tem em mãos, não se prepara para questionar. No entanto o estrangeiro, além de se qualificar para a entrevista sua abordagem tem colocações muito mais pertinentes e contextualizadas. Desculpas tupiniquins ?! Aos montes e sempre as mesmas, por mais absurdas e antiprofissionais que possam parecer: “não tive tempo”, “assunto muito complexo”, “prefiro não ter uma visão preconcebida” entre outras barbáries.

Homens e bois

Se na bipolaridade midiática tem um componente extremamente ativo, esse é a hipocrisia. Tratar o maior biocídio – no sentido lato da palavra, eliminação da vida – sem o devido preparo deixou de ser temerário para se tornar criminoso, nivelado a cumplicidade. A matança generalizada na Amazônia apenas – sem contar com a promovida na Mata Atlântica, pantanal e cerrado – é o maior extermínio em massa por meio de ação  antrópica da história do planeta. Em 40 anos são mais de 42 bilhões de árvores e 50% dos biomas que compõem a floresta sob a ação do fogo, da motosserra, da ganância,  da negligência e cumplicidade oficial.  E a mídia dá de ombros, por pura ignorância, ou por comprometimentos econômicos camuflados sob “condutas editoriais”.

A seca do sudeste, região  tende a se tornar um deserto, tem evidências científicas de estar intimamente relacionada a somatória do desmatamento da Amazônia, da Mata Atlântica, de anomalias oceânicas no Atlântico Sul e queimadas – uma prática cada vez mais frequente e impune em todos os cantos do país. Soma-se a isso um Código Florestal feito sob demanda do agropecuarista e um governo federal comprometido com sua perpetuação no poder, a qualquer custo. O resultado é destruição em larga escala, não só do patrimônio público, mas principalmente da vida.

O interessante desta mistura fétida e que comprova as observações do cientista, é ter sido a imprensa estrangeira a dar os primeiros sinais do grau de comprometimento econômico-político na destruição da floresta. As primeiras a verem o problema foram a BBC e o El País. Em 23 de setembro, a BBC manchetava; “Brasil não assina acordo mundial para reduzir desmatamento”. No dia 14 de outubro, o El País: “Grandes proprietários, a causa do desflorestamento na Amazônia”.

Uma semana depois do anúncio do relatório de Nobre, novamente a imprensa nacional noticiou o caso com a versão governista, sem qualquer contextualização. Para piorar, o Brasil dos commodities, da imprensa repleta do fervor ‘agroufanista’ (neologismo para definir tão intensa satisfação) e do país com o maior rebanho para abate do mundo, destacou em suas editorias de economia que o Pará comemorava ter alcançado a marca de 21 milhões de cabeças de gado, o terceiro entre os gigantescos rebanhos brasileiros.

Com isso, o Estado do Pará chegava ao posto de maior rebanho dentro da Amazônia Legal.  Embora a mídia tenha se esquecido de dizer que a população paraense é de 8 milhões de pessoas. Ou seja, se tem 2,6 vacas e bois para cada habitante. E entre 1988 até 2013, o Pará foi o Estado amazônico que liderou os desmatamentos e as queimadas, posto que ainda não perdeu. Isso retrata bem a distribuição e o uso da terra.

Fonte suspeita

Neste ponto do artigo, o melhor é deixar o leitor com os comentários do cientista Antonio Donato Nobre sobre a postura da imprensa brasileira quanto ao desmatamento e o maior biocídio provocada pelo homem na história do planeta. Pois derruba-se a floresta, matam os animais silvestres e abatem milhões de cabeças de gado por ano. Um ciclo vicioso pautado na morte e no extermínio, e – principalmente – no lucro rápido e da posse das terras da União.

Segue a entrevista na integra com o pesquisador, um desabafo que revela a comportamento da imprensa mesmo diante de um quadro alarmante em todos os sentidos.

E quanto a imprensa, Nobre?

“Existe uma indústria do embaralhamento cognitivo e a mídia cai nela direto. Entre 100 cientistas tem menos de 3 com alguma dúvida sobre o aquecimento global, gente sem nenhum expressão, sem qualquer trabalho, sem credencial ou publicação e que acabam tendo mais de 50% do espaço da imprensa. E muitos deles são financiados por interesses escusos.

Mas tem precedentes?

Antonio Donato Nobre – Esse é um processo que já aconteceu na indústria do tabaco, por 50 anos essa indústria fez esse embaralhamento cognitivo, e dos anos 90 para cá a industria do carvão, do petróleo e no nosso caso da desmatamento faz a mesma coisa. O que é triste disto tudo é que a questão do tabaco já se resolveu, em diversos países já se percebeu que isso não afeta só a saúde como a economia. Esse nível de intolerância com algo que já foi demonstrado pela ciência sendo danoso deveria ser adotado em relação ao desmatamento, a queimada e a fuligem tem que ser parado hoje, não há mais tempo.

A mídia está na zona de conforto ou participa disto?

A.D.N. – Uma coisa é certa: não dá mais para ficar alimentando esse embaralhamento cognitivo, não tem mais tempo, é preciso dizer e prestar atenção na verdade. Isso eu digo para a imprensa olhos nos olhos, chega disto! E foi o motivo que mudei a linguagem do relatório, agora é para o cidadão, isso vai impactar inclusive a imprensa, num curto circuito. Se a imprensa está participando deste jogo cognitivo, para que eu vou entrar neste jogo ? Se gasta uma energia enorme e sem resultados.

Como você notou isso ?

A.D.N. – Eu tenho evidências, mostro a imagem de satélite, vários dados e estudos e vem um sujeito e diz “eu não acredito em nada disto” e a imprensa dá uma quilometragem imensa para isso. O grande exemplo é o Jô Soares, recebe o cara que nunca publicou um só trabalho para comentar o assunto e quem é sério, que trabalha e pesquisa isso a vida inteira, não consegue espaço. E depois temos que ficar explicando por três meses para a imprensa as mesmas coisas, na tentativa de desdizer o que o fulano disse  no programa.  Poxa, você vai na internet, pesquisa o cara e vê que ele tem ligações com pessoas e empresas que tem interesse no desmatamento, é ligado às indústrias poluentes que estão presentes no Brasil. Assim fica muito difícil, muito”.

[Depois desta entrevista, concedida no dia 07 de novembro, o cientista foi obrigado a tirar alguns dias de descanso tal seu desgaste, principalmente provocado pela imprensa, que o assediava permanentemente com questionamentos cuja as respostas estavam todas no relatório. Em tempo, Nobre já passou por quatro cirurgias no coração, teve um AVC, malária e entre outras doenças tropicais. Em apenas uma hora, mais de 10 veículos de comunicação lhe contataram via telefone e ele recebeu ainda duas equipes de reportagem.]

* Júlio Ottoboni é jornalista diploma e pós graduado em jornalismo científico.

Fonte: Envolverde

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros