Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

segunda-feira, 19 de março de 2018

Justiça determina perícia ambiental em cemitérios de Santa Bárbara d'Oeste

Objetivo é identificar possíveis danos causados pelo derramamento de necrochorume. Prazo é de 45 dias.


A Justiça de Santa Bárbara d'Oeste (SP) determinou a realização de uma perícia para apontar se há dano ambiental na região dos dois cemitérios municipais. Segundo a decisão, o laudo deve ser emitido em 45 dias. A ação foi movida pela Associação Paulista para Gestão das Águas (APGA), que afirma que há 90% de chance do solo estar contaminado.

A determinação foi publicada no dia 8 de março e a ação é de um ano antes. Segundo a decisão, o perito indicado deve permitir aos peritos assistentes - escolhidos pelas partes - acompanhar os trabalhos. A perícia será realizada nos cemitérios Campo da Ressurreição (Cemitério Central) e Cemitério Municipal da Paz (Cabreúva) e a prefeitura confirmou que foi notificada e "as providências serão tomadas dentro do prazo legal".

Segundo o advogado que representa a APGA, Rafael Baitz, cemitérios são instituições centenárias e a forma como os corpos são enterrados permite o derramamento de necrochorume, que pode contaminar o solo e o lençol freático.

"Esse líquido é altamente contaminante, pode subir para a superfície e contaminar o lençol freático. Esses cemitérios que nós temos em São Paulo [estado] e no Brasil todo são instituições de mais de 200 anos produzindo necrochorume", afirma o advogado.

Além disso, ele afirma que, com a expansão das cidades, os cemitérios ficaram localizados no Centro. "Isso é um problema ambiental que as prefeituras ou não dão conta ou fecham os olhos. A entidade tem como proposta melhorar essa condição. Como fazer isso? Ou afastando os cemitérios, ou a adoção de crematórios", explica.

O objetivo da APGA, conforme o advogado, é reduzir o dano ambiental e, em médio prazo, fazer com que os enterros sejam realizados ou em cemitérios mais novos e ambientalmente corretos, ou que sejam realizadas cremações.

"A nossa pretensão é que pare esse tipo de prática e, se for fazer, que se faça em um cemitério ambientalmente correto. O corpo deve ser colocado em uma caixa de contenção, que não disperse o necrochorume. Também tem a alternativa da cremação".

Fonte: G1

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros