Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

sexta-feira, 13 de junho de 2014

Agricultores do Amazonas aprendem sobre produção orgânica de hortaliças

A Embrapa Amazônia Ocidental realizou, nesta terça-feira (10/06/2014), a palestra Cultivo consorciado de hortaliças folhosas sob manejo orgânico. A apresentação, ministrada pela pesquisadora Marinice Cardoso, foi direcionada a cerca de 20 agricultores orgânicos e estudantes da zona rural (filhos de agricultores), que visitaram a Unidade de Observação (UO) sobre consorciação de hortaliças de folhas, localizada no Campo Experimental do Caldeirão, no município de Iranduba (AM), local do evento.


Conforme a pesquisadora, a UO vem sendo conduzida em condições de cultivo protegido na terra firme, com adoção de manejo orgânico e ênfase no uso de biofertilizantes. A couve-de-folhas, a alface, o coentro e a cebolinha são as espécies componentes do consórcio. Segundo Marinice, estas hortaliças são muito cultivadas pelos agricultores familiares e têm elevado consumo pela população amazonense. “As pesquisas com manejo orgânico de hortaliças folhosas também procuram atender demanda da Associação de Produtores Orgânicos do Estado do Amazonas (Apoam) apresentada na reunião técnica Olericultura no Estado do Amazonas, realizada em 2013”, destacou.

A palestra sobre cultivo consorciado de hortaliças teve duas partes: a primeira aconteceu no Centro de Treinamento do Campo Experimental do Caldeirão e a segunda no próprio local da UO instalada. Durante a palestra, a pesquisadora enfatizou que essas espécies oferecem alternativa para um desenho de consorciação de grande valor para os agricultores familiares, por se buscar melhor aproveitamento dos insumos e da mão-de-obra, geralmente da própria família, em capinas e outros tratos culturais. “As cultivares utilizadas nesse consórcio foram estudadas em cultivo solteiro anteriormente na Embrapa Amazônia Ocidental, ou são já de uso corrente pelos agricultores”, pontuou Marinice.

Em relação à alface, duas cultivares participam do desenho de consorciação: a Regina, que é lisa, e a Solaris, crespa – ambas com tolerância ao pendoamento precoce (florescimento precoce em condições de temperaturas elevadas), característica importante, já que o pendoamento precoce compromete o desempenho da cultura. “Embora exista preferência por alfaces crespas, existe parcela da população que recebe bem a alface lisa, e esse tipo de alface poderá ser um diferencial em termos de alface orgânica, além da cultivar Regina ser muito precoce”, destacou a pesquisadora.

Além do consórcio, os estudos visam avaliar o desempenho das cultivares de couve-de-folhas, alface, coentro e cebolinha submetidas ao manejo orgânico, que é bastante diferente do cultivo convencional. Segundo a pesquisadora, unidades de produção agrícola familiar podem explorar melhores nichos de mercado baseados na oferta de produtos “mais naturais, saudáveis e ecologicamente corretos”, desde que sejam capazes de garantir, via normas e procedimentos pré-estabelecidos, que a produção mantenha os atributos de qualidade vendidos ao consumidor.

Toda a temática abordada na palestra constituiu atividade do projeto Biofertilização em cultivo solteiro e consorciado de hortaliças sob manejo orgânico em condições de terra firme no Estado do Amazonas. O projeto, liderado pela pesquisadora Marinice Cardoso, é desenvolvido pela Embrapa Amazônia Ocidental com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), além da colaboração de professores/pesquisadores da Faculdade de Ciências Agrárias (FCA/Ufam) e do Programa de Pós-graduação do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), com envolvimento de estudantes nas pesquisas.

Ao final da palestra, a pesquisadora fez agradecimento especial ao técnico Orlando Ferreira e aos assistentes Luiz Vieira e Daniel Alves, pela dedicação na condução das atividades de campo, assim como ao supervisor do Campo Experimental do Caldeirão, Antônio Fernando Silva, pelo apoio para execução das atividades do projeto e organização do evento, e à analista Maria da Conceição Campelo, do Laboratório de Solos e Plantas, pelas análises dos biofertilizantes.

Outras espécies

Outras espécies que vêm sendo estudadas pela equipe de pesquisadores da área de olericultura da Embrapa Amazônia Ocidental, como parte do projeto, são feijão-de-metro, feijão-vagem e quiabo, pela pesquisadora Cristiaini Kano; pepino, pelo pesquisador Isaac Cohen; pimentão, pelo pesquisador Rodrigo Berni; além de validação participativa voluntária do uso de biofertilizante, pela pesquisadora Joanne Régis da Costa. Adicionalmente, estudos sobre o controle biológico da traça-das-crucíferas com Polybia sp vêm sendo conduzidos por Cristiane Krug e Flávia Batista, pesquisadora e analista, respectivamente, do Laboratório de Entomologia.

Fonte: EcoDebate

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros