Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

terça-feira, 28 de abril de 2015

Consumo de água em plantações e jardins cai 50% com novos sensores

Sensores desenvolvidos pela Embrapa Instrumentação, em São Carlos (SP), prometem ajudar agricultores a economizar água. Simples e eficientes, os aparelhos estão evitando perdas de até 50% nas plantações e jardins em que foram testados e devem chegar ao mercado em maio.


Os testes na floricultura do paisagista Mailton Sevilha começaram há uma semana e estão dando resultado. Antes, apenas com uma palmeira, eram gastos dois litros de água por dia. Agora, ele usa a metade e a redução veio acompanhada do aumento da praticidade porque o próprio equipamento rega a planta quando a terra está seca.

“As pessoas que viajam muito ou que trabalham fora o dia todo têm a preocupação com a quantidade para molhar, com os dias, então esse sistema veio justamente para facilitar a vida das pessoas, tanto em termos de economia como de tempo”, afirmou.

Um dos sensores é feito de bolinhas de vidro cobertas com um cilindro de cerâmica. Na outra ponta, é colocada uma seringa e tudo fica interligado por um tubo. “Coloca-se a seringa dentro da água e o peso da água empurra o ar através dos poros. Quando o nível da água sobe pela seringa, então está na hora de irrigar. Os poros já estão cheios de ar e tem pouca água disponível para as plantas”, explicou o engenheiro agrônomo Adonai Gimenez Calbo.

Os pesquisadores desenvolveram equipamentos diferentes para cada tipo de aplicação e um deles serve tanto para os vasos de plantas das donas de casa quanto para agricultores. Parecido com um termômetro, ele tem um visor que fica esbranquiçado para indicar a hora de regar.

Com a irrigação no momento correto, ocorre uma dupla economia. “Na falta de água, a planta produz menos e o excesso de água também prejudica as plantas, pode causar doenças, além de custar caro para o agricultor. Ele vai pagar a água e a energia elétrica para irrigar”, disse Calbo.

Josué Luiz Pereira já sentiu a redução nos gastos e a elevação da qualidade. Ele gastava 600 mil litros de água em sua propriedade, onde produz hortaliças, e o volume caiu pela metade. “É uma economia para nós e um produto melhor”. 

Fonte: G1

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros