Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Capturar CO2 é ineficaz contra acidificação dos oceanos, diz estudo

O emprego em massa de técnicas de captura de CO2 da atmosfera não vai parar a acidificação dos oceanos, um fenômeno que ameaça muitas espécies marinhas e que perdurará por séculos, diz um estudo publicado nesta segunda-feira.

Remover da atmosfera a cada ano, até 2.700, o equivalente a metade das emissões atuais – um nível muito ambicioso – não seria suficiente para recuperar as condições ácidas dos oceanos da era pré-industrial, indicam os autores do estudo publicado na revista Nature Climate Change.

E, mesmo que a concentração de CO2 na atmosfera diminua para um nível semelhante ao de antes da Revolução Industrial, a acidificação dos oceanos pode não seguir o mesmo caminho por centenas de anos.

“As alterações mais rápidas ocorrem na superfície, onde os oceanos estão diretamente expostos a concentrações de CO2 mais elevadas e ao aumento das temperaturas”, explica Sabine Mathesius, uma das autoras do estudo.

As emissões de CO2 provenientes das atividades humanas são capturadas a 25% pelos oceanos. Esta troca de ar-atmosfera limita o efeito estufa, mas contribui para uma diminuição do pH nos oceanos, o que tem efeitos muito negativos na biologia marinha.

Sob o efeito das correntes oceânicas, as massas de água acidificadas são transportadas para grandes profundidades ao longo de décadas e até mesmo séculos.

“Uma vez no fundo, a água acidificada não está mais em contato com a atmosfera (…) e continuará acidificada por séculos”, acrescenta a pesquisadora.

‘Mudança irreversível’ por séculos Portanto, “retardar a redução das emissões de gases do efeito estufa, com a intenção de capturar mais tarde o CO2 da atmosfera, não iria funcionar”, considera a cientista, uma vez que os oceanos sofrem “uma mudança irreversível” durante séculos.

Em outro estudo, publicado nesta segunda-feira na revista Nature Communications, cientistas demonstraram que a captura e armazenamento de CO2, uma tecnologia que ainda deve ser desenvolvida para atuar em grande escala, será necessária, mas muito insuficiente para limitar o aquecimento a 2°C.

“Através do único caminho de emissões negativas, é improvável que a meta de 2°C seja alcançada”, argumentam os cientistas.

Estas conclusões atingem os defensores dos combustíveis fósseis, que acreditam que a captura e armazenamento de carbono em larga escala no futuro vai estabilizar, e mesmo diminuir, a concentração de CO2 na atmosfera.

Os autores do estudo acreditam, no entanto, que a captura e armazenamento de carbono deve ser desenvolvida em paralelo com os esforços drásticos para reduzir as emissões.

Para limitar o aumento da temperatura global em 2°C, objetivo definido pela comunidade internacional, é necessário capturar quantidades maior do que a emitida de CO2, para emissões negativas na faixa de 0,5 a 3 gigatoneladas por ano.

Este desempenho deve ser associada a capacidades de armazenamento entre 50 e 250 gigatoneladas, dizem os autores do estudo.

Fonte: UOL

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros