Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

quarta-feira, 25 de abril de 2018

Estudo indica que o aquecimento global intensificará as secas na Europa

O aquecimento global exacerbará as secas na Europa – as secas durarão mais, afetarão áreas maiores e terão impacto sobre mais pessoas. Se a Terra se aquecer em três graus Celsius, os eventos extremos – como a seca que atingiu grande parte da Europa em 2003 – poderão se tornar o estado normal no futuro.


Este cenário foi descrito na revista científica Nature Climate Change por uma equipe internacional de autores composta por cientistas coordenados pelo Centro de Pesquisa Ambiental de Helmholtz (UFZ). Pela primeira vez, os pesquisadores explicaram como um aumento de temperatura global de um a três graus Celsius pode ter um impacto significativo na distribuição das secas em toda a Europa.

De acordo com os resultados da modelagem da equipe de autores – que envolveu cientistas dos EUA, Holanda e Reino Unido, além da UFZ – se o aquecimento global subir três graus, as regiões secas da Europa se expandirão de 13% para 26%. da área total em comparação com o período de referência de 1971 a 2000. Se os esforços forem bem sucedidos em limitar o aquecimento a 1,5 grau Celsius, conforme estipulado no Acordo de Proteção Climática de Paris, as regiões da seca na Europa podem ser limitadas a 19% da área total . Com exceção da Escandinávia, a duração das maiores secas na Europa também durará três a quatro vezes mais do que no passado. Até 400 milhões de pessoas poderiam ser afetadas.

Conseqüências negativas podem ser esperadas para a região do Mediterrâneo, onde as regiões secas podem se expandir de 28% da área no período de referência para 49% da área nos casos mais extremos. O número de meses de seca por ano também aumentará significativamente no Sul da Europa: “No caso de um aquecimento de três graus, presumimos que haverá 5,6 meses de seca por ano; até agora, o número foi de 2,1 meses. Em partes da Península Ibérica, projetamos que a seca poderia durar mais de sete meses “, diz o hidrólogo da UFZ, Dr. Luis Samaniego, um dos dois principais autores do estudo.

Se o cenário de três graus ocorrer, os eventos de seca dessa intensidade e extensão podem, portanto, ocorrer duas vezes mais em anos à frente e se tornar o estado normal em muitas partes da Europa. No futuro, as secas até excedem em muito esse estado normal; o impacto sobre a sociedade civil e a economia seria severo. Isso corresponde aproximadamente ao déficit hídrico experimentado durante o período de seca que prevaleceu no verão de 2003 em grande parte da Europa.

Se, por outro lado, o aquecimento global aumentar apenas 1,5 graus Celsius, apenas 3,2 meses de seca poderiam ser esperados anualmente na região do Mediterrâneo e haveria um declínio no teor de água no solo de cerca de oito milímetros.

Segundo os cientistas da UFZ, outras regiões da Europa não seriam afetadas tão severamente quanto a região do Mediterrâneo – mesmo se a temperatura subir três graus Celsius. “Nas regiões Atlântica, Continental e Alpina, as áreas secas vão aumentar menos de dez por cento da área total”, explica o matemático Stephan Thober.

Por outro lado, nos estados bálticos e na Escandinávia, os aumentos projetados na precipitação desencadeada pelo aquecimento global poderiam até mesmo fazer com que a área afetada pela seca diminuísse cerca de 3%. Também para a Alemanha, o aquecimento teria apenas consequências relativamente menores – com uma restrição: “Aqui também os verões ficariam mais secos no futuro do que até agora”, diz Thober.

Os pesquisadores da UFZ também enfatizam que a humanidade pode reagir à esperada disseminação de secas. A maneira mais certa seria implementar os objetivos de proteção climática do Acordo de Paris e, assim, reduzir os efeitos negativos sobre as secas terrestres na Europa.

Referência:

L. Samaniego, S. Thober, R. Kumar, N. Wanders, O. Rakovec, M. Pan, M. Zink, J. Shef?eld, E. F. Wood, and A. Marx (2018): Anthropogenic warming exacerbates European soil moisture droughts. Nature Climate Change http://dx.doi.org/10.1038/s41558-018-0138-5

Fonte: EcoDebate

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros