Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

terça-feira, 16 de junho de 2015

Agência pede fim de subsídio a combustível fóssil contra aquecimento

O investimento em energias renováveis e a eliminação de subsídios aos combustíveis fósseis são a chave para a redução das emissões nocivas de gases-estufa e limitação da temperatura global em 2ºC, de acordo com um novo relatório divulgado pela Agência Internacional de Energia, a AIE, nesta segunda-feira (15).

A AIE apresentou o documento “Energia e Mudanças Climáticas” em contribuição para o debate das Nações Unidas do acordo para frear o aquecimento global, que deverá ser assinado no fim deste ano durante a COP 21, em Paris.

Segundo o economista-chefe da agência, Fatih Birol, o setor de energia é responsável por mais de dois terços de todas as emissões nocivas, à frente da agricultura e dos transportes, de modo que “qualquer acordo fechado em Paris deverá levar isso em conta”, explicou.

A instituição, que analisa a situação energética nos 29 países membros, ressalta que quaisquer compromissos apresentados até agora – o que inclui anúncios feitos pelos Estados Unidos, União Europeia e China – não serão suficientes para conter o ritmo atual de aquecimento.

O texto alerta que se não forem tomadas medidas mais fortes a partir de 2030, a temperatura global aumentaria 2,6ºC até 2100 e cerca de 3,5ºC até 2200.

Quatro pilares – Como principal recomendação aos países, o organismo propõe um plano de quatro pilares, em que a primeira meta é baixar as emissões a partir de 2020, quando o total de gases lançados na atmosfera deverá atingir seu ápice.

Para conseguir isso, a agência afirma que é preciso melhorar a eficiência energética, proibindo o uso de carros ou eletrodomésticos pouco eficientes, vetar a construção de novas usinas de carvão poluentes e aumentar o investimento anual em energias renováveis dos atuais US$ 270 bilhões (dado de 2014) para US$ 400 bilhões em 2030.

Também é preciso eliminar progressivamente os subsídios aos combustíveis fósseis, orçados em US$ 500 bilhões anuais e destinados, principalmente, ao Oriente Médio e Ásia.

O segundo pilar é a necessidade de avaliar os compromissos de cada país para conter a emissão de gases a cada cinco anos, já que as mudanças tecnológicas acontecem rapidamente e, por isso, são necessárias adaptações e melhoras nos planos nacionais.

A AIE propõe ainda, como terceiro ponto, um percentual de redução das emissões em escala global (algo entre 40% e 70%, conforme sugerido no encontro dos sete países mais ricos, o G7) e, como quarto pilar, estabelecer um mecanismo de contabilidade para monitorar o progresso dos países no cumprimento de seus compromissos energéticos.

Fonte: G1

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros