Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Tapes e os 'fora da lei'

Tapes é uma cidade plana, mas se tivessem morros, já teríamos algumas favelas ocupando as encostas, do sopé ao cume, sem se importarem as “otoridades” se poderia ou não haver alguma habitação nestes locais.
Mas como Tapes é plana, ocupam sem cerimônia e com total apoio público, que não fiscaliza e/ou controla, utilizando-se as matas de APP junto as sangas para moradia, onde não existe nenhum cuidado com os efeitos que esta ocupação irá acarretar, com os despejos de esgotos diretamente no recurso hídrico, com o lixo lançado direto da janela da cozinha dentro das águas fétidas e podres destas sangas urbanas na cidade, carregadas de dejetos cloacais, poluição industrial, agrotóxicos, bichos mortos e até restos das mortalhas e caixões dos eternos habitantes da ‘cidade dos pés juntos’, que margeia uma das sangas.
 
Como Tapes é uma cidade a beira da laguna dos Patos, naturalmente as praias da cidade estavam em 1993, estão em 2013 e continuarão 'indefinidamente' poluídas por muito tempo, pela inoperância da ETE e inoperância dos políticos em fazerem com que nestes 20 anos a estação de tratamento de esgotos funcionasse e deixasse de ser o exemplo 'ruim' dos investimentos do Estado em saneamento básico.
 
Investiram mais de dois milhões de reais numa obra que não utiliza 1% de sua capacidade total de tratamento dos esgotos, onde até pescarias são feitas pelos moradores do entorno, que descobriram um pesqueiro excelente nas bacias de tratamento, isento de poluição e que até peixe tem, pois nas sangas estas espécies de animais da fauna aquática, não existem mais.
 
Por este motivo em todos os verãos, o medo da placa da FEPAM indicar os locais poluídos da cidade e impróprios para banho, levam alguns 'fora da lei' a retirarem as placas para não prejudicarem seus hotéis, restaurantes, pousadas, campings e até mesmo para evitar que o turismo de Tapes migre para Arambaré, afinal de contas, turista incauto nada em águas poluídas, pois os nativos sabem onde não são despejados os esgotos 'mistos', com as águas do pluvial misturadas com os dejetos cloacais.
 
Uma das últimas regiões aonde os esgotos cloacais ainda não chegaram, corre sério risco de 'em mais um ou dois anos', de ser afetada por ignóbeis e suas obras sem técnica e respeito ao meio ambiente. Quem sabe até antes, o povo nadará de graça nas águas e ganhará uma pereba de brinde para levar de lembrança.
 
Mas como em Tapes, são vigentes as normas e regras dos ‘fora da lei’, isso não importa, afinal, são ‘só três meses de veraneio que passam rápido’ e logo em seguida, esquecem que existem praias e gente na cidade que gostam das praias, muitas delas cobertas de 'matos espinhentos' e muita sujeira deixada por moradores e visitantes.

Os 'matos espinhentos' eles limpam com motosserras e licença ambiental do Estado, mas o lixo plástico, latas, pneus e outros resíduos ficam para não mudar muito a paisagem do lugar.

Na cidade, onde um dia sonharam com a prosperidade advinda da natureza singular existente, hoje vivemos o pesadelo de uma realidade nefanda e prejudicial aos negócios de todos os comerciantes, empresários, prestadores de serviços e a população em geral, que alijada de sua condição cidadã, ainda corre o risco de
apanhar na rua se mostrar essa situação aos demais moradores, e pior, às "otoridades", que ainda dizem 'não é tudo isso', na tentativa de aliviar o lado dos agentes públicos e privados que cometem crimes ao meio ambiente e fica 'por isso mesmo'.
 
Numa cidade de gente 'fora da lei' até as "otoridades" já se acostumaram ao sistema e aceitam tacitamente que isso ocorra, gerando o sentimento de impunidade em muitos 'fora da lei' que constroem mansões na beira da praia, área protegida e que fazem muros impedindo o ir e vir da população em área de marinha, pública, do povo brasileiro, tapense, afinal Tapes está no Brasil e não em ‘Timbucutu’, na Cochinchina.
 
"Não vai dar nada!" dizem uns até na Tribuna na Casa do Povo, paga pelo povo para que alguns 'fora da lei' eleitos, possam maquiar as soluções e darem discursos que nada dizem para escamotear a verdade e não agirem pelo interesse público, apenas, em apoio aos seus feudos e camarilhas.

Gente 'fora da lei' que dá moral de cueca, que fala em respeito e trai a mulher, os filhos, os amigos, os eleitores. Uma gente com o poder na mão e se 'lixando' para o povo, a opinião pública, a possível, futura e incerta punição que nunca irão receber por manterem a situação como está sendo omissos e coniventes com toda a desgraça econômica, social e ambiental de Tapes.

Uns 'fora da lei' com fala mansa e cheios de boas intenções, e que sabemos, o inferno está cheio e até pavimentado com tanta 'boa intenção' de parte destes que se calam diante da injustiça, mas bradam em nome dela para defenderem criminosos ambientais e cerceadores do direito individual dos cidadãos que não são bobos ou calhordas como eles, os 'fora da lei' e seus serviçais.

Assim, se algum dia Tapes conhecer a verdade, a lei e a justiça, é porque algumas gerações mais novas ou porvir, conseguirão derrubar o muro carcomido pela corrupção moral, política e cultural que infesta e empesteia o ar como o odor das fezes lançadas nos canos da drenagem da chuva, nas saídas das bocas de lobo, nas águas da orla, nas sangas, nas areias das praias, a céu aberto nos valões nos arrabaldes da cidade, esquecida a população pelos que governam para si e para os 'fora da lei', menos para o povo tapense que ainda tem esperança de dias melhores vindo pela mão e mentalidade proba de algum político.

Por estes e outros motivos, que vemos esta triste realidade bater em nossa porta e nos alertar que fracassamos enquanto guardiões daquilo que mais importará no futuro, que valerá mais do que "o petróleo que não se bebe e o dinheiro que não se come", as águas doces da laguna dos Patos, que conforme a música de Elmo de Freitas, "na América do Sul, Deus botou pra bebedouro" e, bebedouro, quem sabe só os vizinhos da ‘cidade dos cavalos’ terão a disposição essa graça de ter o recurso 'mais caro e valioso' para sobreviverem num futuro próximo.

E, se Tapes tiver a 'esperança' de um futuro, quem sabe os primos afortunados da ‘cidade dos cavalos’ serão solidários com esta gente que não é 'fora da lei' ou os asnos que aceitaram a situação como está e acreditam, continuará por muito tempo!
 
Por Julio Wandam
 
Ambientalista

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros