Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Nuclear em baixa, solar em dúvida

O debate entre presidenciáveis promovido pela CNBB na última terça-feira (16) trouxe sinalizações relevantes sobre as perspectivas do atual governo para o setor de energia.

Por um lado, a presidente Dilma Rousseff indicou que energia nuclear está longe de ser uma prioridade. Apesar de não descartar a conclusão das obras da usina de Angra 3, declarou que não vê o investimento em nuclear como necessário ou tampouco estratégico, mostrando concordar que o Brasil não precisa dessa fonte de energia altamente poluidora e insegura – algo defendido pelo Greenpeace e por várias organizações e movimentos que se opõem à energia nuclear no Brasil e no mundo.

Por outro lado, Dilma mostrou que ainda existe resistência ao investimento em energia solar, afirmando não crer que essa fonta tenha potencial para se tornar protagonista no país.

Infelizmente, neste ponto Dilma vai contra toda evidência científica disponível, e do planejamento feito pela própria Empresa de Pesquisa Energética (EPE), órgão do seu próprio governo, segundo o qual até 2050 nossa matriz contará com 118 GW de energia solar. A posição da EPE segue o mesmo rumo do proposto pelo Greenpeace em seu relatório [R] evolução energética (link).

A história, pelo visto, se repete: há alguns anos o governo também não valorizava o potencial da energia eólica, que hoje já compete em custo com hidrelétricas e cresce a passos largos. Não há, assim, porque continuar duvidando do potencial do Sol – fonte ideal para complementar uma matriz baseada em hidrelétricas, como a nossa – e adiando investimentos cruciais para que o país consiga garantir, no caso da falta de chuva, luz e preços estáveis. O que falta é só vontade política.

Energia é tema quente nestas eleições, e felizmente o debate sobre novas fontes renováveis está mais forte do que nunca. Seguiremos pressionando todos os candidatos a assumirem compromissos cada vez mais consistentes e significativos. A pressão apenas se ampliará para cima de quem quer que seja eleito a partir do ano que vem!

Fonte: Mercado Ético

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros