Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

sexta-feira, 4 de março de 2016

Acordo protege mais Samarco que meio ambiente, avalia MPF

O Ministério Público Federal informou nesta quinta-feira (3) que vai se posicionar contra a homologação do acordo realizado entre a Samarco, o governo federal e os governos de Minas Gerais e do Espírito Santo.
Assinado nessa quarta-feira, o documento prevê que a mineradora arque com o valor de R$4,4 bilhões, pelos próximos três anos, para mitigar as consequências do rompimento da barragem de Mariana (MG), em novembro do ano passado. Após o período, haveria novos cálculos para determinar quantias adicionais a serem desembolsadas pela Samarco. O acordo envolve 39 projetos que seriam desenvolvidos ao longo de 15 anos. Mas para ter validade, a Justiça ainda precisa realizar a homologação.

Na opinião do Ministério Público, a proteção do patrimônio das empresas foi priorizada em detrimento do meio ambiente e dos interesses das populações afetadas. Segundo o procurador federal Jorge Munhós de Souza, o acordo tem seus pontos positivos mas ele se coloca como uma garantia máxima, quando deveria ser uma garantia mínima. O acordo prevê um limite de R$ 20 bilhões para medidas de reparação e de R$ 4 bilhões para medidas de compensação.

Um outro problema levantado pelos procuradores federais foi a falta de participação das populações atingidas. A mesma crítica já havia sido realizada pela ONG Justiça Global, que informou à Agência Brasil a preparação de uma denúncia a ser entregue à Organização das Nações Unidas (ONU) e à Organização dos Estados Americanos (OEA). Segundo a advogada da ONG, Alexandra Montgomery, as comunidades indígenas que se encontram na área atingida também estão sendo prejudicadas.

Áudio aqui.

Fonte: EcoDebate

Eco & Ação

Ecologia

Loading...

Postagens populares

Parceiros