Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

quinta-feira, 21 de junho de 2018

Autoridades alertam para possível desastre ambiental no Rio Paraíba do Sul

Autoridades alertam para possível desastre ambiental no Rio Paraíba do Sul


Uma denúncia feita esta semana na Comissão de Meio Ambiente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro alerta para um depósito de escória no bairro Brasilândia, em Volta Redonda, que pode contaminar o Rio Paraíba do Sul em caso de vazamento. Um acidente desse porte poderia deixar milhares de pessoas sem abastecimento de água no estado.

Os resíduos ocupam uma área de quase 300 mil m² e já formam uma “montanha”, que é possível enxergar de longe. O material vem dos altos-fornos e do setor de aciaria da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). Essa “montanha” está em uma área de proteção ambiental. Uma das principais preocupações dos órgãos de defesa do meio ambiente é a proximidade dos resíduos com o Rio Paraíba do Sul. Pelo que diz a legislação, a distância deve ser de pelo menos 100 metros.

“Esse depósito está justamente diminuindo esta faixa de proteção. Hoje, você consegue ver que esta faixa está com menos de 50 metros de largura”, explicou Adriana Vasconcelos, presidente da Comissão Ambiental Sul.

A preocupação é que parte disso chegue ao rio, podendo comprometer o abastecimento da população do Sul do estado e, também, parte da Região Metropolitana.

“A contaminação do lençol freático, a contaminação e a poluição aérea, a contaminação das comunidades que estavam ao seu redor. Ou vamos beber água contaminada ou talvez a gente fique sem água durante um bom tempo”, alertou Alexandre Anderson de Souza, presidente da Organização Não Governamental (ONG) Ahomar.

Moradores de, pelo menos, seis bairros de Volta Redonda são afetados diretamente. A casa de Sueli, que fica em um desses bairros, por exemplo, fica perto do Rio Paraíba e do deposito. Ela conta que convive com problemas de saúde.

“Eu passei a ter alergia… entope o nariz, tosse seca, por conta acho que desse pó”, disse a dona de casa Sueli Barbosa.

A atual situação do depósito chamou a atenção de órgãos ligados ao meio ambiente. Eles alegam que o volume de resíduos vem aumentando ao longo dos anos, e que as condições de armazenamento são inadequadas. Essas questões motivaram denúncias das entidades de defesa ambiental.

“Um desastre ambiental, como o acontecido em Mariana pode acontecer em Volta Redonda: um vazamento de escória dentro do Rio Paraíba do Sul. Essa denúncia foi feita ontem aqui dentro do nosso gabinete e, de imediato, encaminhamos à Comissão de Saneamento Ambiental e Comissão de Meio Ambiente a solicitação de uma reunião urgente com o Inea [Instituto Estatual do Ambiente] para deliberarmos sobre esse assunto”, disse o deputado estadual Gláucio José de Mattos Julianelli, presidente da Comissão de Meio Ambiente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

A CSN informou que este espaço é uma área de beneficiamento e que o material não é perigoso, de acordo com a classificação da Agência Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Disse ainda que a empresa que opera no local é especializada nesse tipo de processamento e licenciada pelos órgãos ambientais, segundo todas as normas exigidas. Com o beneficiamento, de acordo com a CSN, parte do material volta para o processo siderúrgico e a outra parte é usada em pavimentação.

A produção da TV Rio Sul entrou em contato com o Inea, para saber mais sobre a fiscalização dessa escória, mas não obteve retorno.

Fonte: G1

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros