Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

sexta-feira, 3 de julho de 2015

Estudo identifica 34 mil quilômetros quadrados de áreas produtivas, no AP

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) apresentou nesta quinta-feira (2) em Macapá, dados atualizados do Zoneamento Econômico Ecológico (ZEE) que identificou áreas para plantio e cultivo de matéria-prima para biomassa, que é qualquer produto oriundo de matéria orgânica animal ou vegetal que pode ser usado na produção de energia.

O levantamento avaliou áreas alteradas previamente pelo homem, através de desmatamentos e plantio, designadas como antropizadas. A instituição identificou por mapeamento de satélite, análise de clima e de solo um total de 34 mil quilômetros quadrados de território produtivo, sendo a maior parte em terreno de cerrado, predominante na região central do Amapá.

As informações fazem parte de um padrão que está sendo aplicado em todos os estados da Amazônia Legal e visa ofertar informações precisas aos órgãos estaduais e federais com o objetivo de antecipar investimentos para produção de matérias-primas.

“Damos informações diversas de clima, uso da terra, já existentes ou algumas que estamos gerando. Estamos combinando e discutindo esses dados em parceria com os estados, e disponibilizando de forma gratuita”, explicou Adriano Venturieri, chefe da Embrapa Amazônia Oriental.

O estudo conta com a parceria do Ministério do Meio Ambiente (MMA), e no estado é executado também pelo Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas (Iepa). Para o Amapá, Venturieri sugere o cultivo de soja, onde o óleo extraído é usado na produção de biocombustível, além do plantio de árvores para utilização como carvão, evitando o desmatamento de mata nativa.

Em âmbito estadual, o governo do Amapá pretende usar os dados para fortalecer a produção de alimentos através do plantio de grãos, como feijão, milho e arroz, adiantou Osvaldo Hélio, titular da Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR).

“É uma estratégia do governo do estado atuar na produção de alimentos porque dá um retorno imediato. A pauta de discussão para a produção de biomassa vai passar por um estudo de viabilidade”, detalhou o secretário.

Fonte: G1

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros