Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

segunda-feira, 7 de maio de 2018

Cemitério familiar que funciona em área particular há mais de 100 anos é alvo de investigação em MT

Com as chuvas intensas, os túmulos alagam e a enxurrada leva rejeitos do cemitério para um rio próximo.

Ministério Público Estadual (MPE) instaurou um inquérito para apurar denúncias de irregularidades em um cemitério que fica na zona rural de Santo Antônio de Leverger, a 35 km de Cuiabá. Durante as chuvas intensas, os túmulos ficam alagados e os rejeitos dos mortos são levados para um rio próximo.

A comunidade da Gleba Bocaiuval utiliza o local para sepultar os familiares. Em 1984, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) formalizou a posse para a família do aposentado Antônio Batista de Amorim.

"Temos uma ideia do que precisamos fazer para poder regularizar o cemitério com a prefeitura", afirmou.

A filha de Antônio Walkyria Amorim de Souza explicou que, durante as chuvas intensas na região, a água do cemitério escorre até um rio.

"Muitos animais bebem dessa água e os donos fizeram um poço para dar outro tipo de água para eles", contou.

MPE busca identificar o responsável por cuidar do cemitério (Foto: TVCA/ Reprodução) MPE busca identificar o responsável por cuidar do cemitério (Foto: TVCA/ Reprodução)
MPE busca identificar o responsável por cuidar do cemitério (Foto: TVCA/ Reprodução)
O Ministério Público busca identificar o responsável pelos cuidados com o local.

De acordo com a procuradora do município, Luciane Rosa, o cemitério é utilizado pela família de Antônio e pelos moradores da zona rural há mais de 100 anos.

"Isso já se tornou uma tradição para os familiares. Há mais de 100 anos eles utilizam aquele local", disse.

Ela explicou que por ser uma área particular o município não possui gerência no local e que o Ministério Público deverá fazer a regularização e o licenciamento ambiental do cemitério.

O Ministério Público pediu que uma equipe da Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) faça uma avaliação do local. A data da vistoria ainda está sendo definida.

Fonte: G1

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros