Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

terça-feira, 9 de abril de 2013

Expansão do turismo traz riscos para preservação de habitat na Antártida

A chegada de turistas à Antártida está crescendo consideravelmente, mas este fenômeno traz consigo riscos para a preservação do habitat que tentam ser diminuídos com restrições para os operadores e códigos de conduta para os quase 50 mil visitantes por ano.


Embora os primeiros turistas tenham chegado à Antártida na década de 1950, a expansão desta indústria é relativamente recente. Na temporada 1992-93, apenas 6,7 mil turistas visitaram o continente, mas na de 2008-09 o número já superava os 45,2 mil, segundo dados da Associação Internacional de Operadores de Turismo da Antártida (IAATO, na sigla em inglês), organização que em abril realizará sua 24ª reunião anual na cidade chilena de Punta Arenas.

O desenvolvimento do turismo nesta área do planeta foi possível graças ao Tratado Antártico, assinado em Washington em 1959, cujo principal propósito foi assegurar o “interesse de toda a humanidade de que a Antártida continue sendo utilizada exclusivamente para fins pacíficos e que não chegue a ser palco ou objeto de discórdia internacional.”

Poucos anos antes, Chile e Argentina tinham estabelecido limites territoriais, um feito que se uniu às pretensões de soberania que então tinham o Reino Unido, Noruega, Austrália, Nova Zelândia e França. A comunidade internacional viu então a necessidade de evitar que a Antártida se transformasse em um palco de discórdia e alcançou tal feito quando o tratado foi assinado por 28 países e reconhecido por mais de 50.

Aventuras na Antártida – As atividades no “continente gelado” estão submetidas à regulações derivadas da avaliação do impacto ambiental, à proteção da flora e fauna e à gestão dos resíduos. A extração de recursos minerais está expressamente proibida, mas não o desenvolvimento da pesquisa científica e a indústria turística.

A Antártida tem 14 milhões de quilômetros quadrados, as temperaturas mais baixas do planeta (que em alguns pontos alcançam 70 graus abaixo de zero) e ventos de até 300 km/h. Além disso, é a maior reserva de água doce da Terra e contém 90% de todo o gelo do planeta, já que cerca de 90% de seu território está coberto por uma camada de 2,5 mil metros de espessura.

Estas características dotam o continente de um exotismo que desperta o interesse de vários amantes de aventuras com o suficiente poder aquisitivo para desembolsar os aproximadamente US$ 10 mil para fazer um cruzeiro.

Em abril de 2009, os 28 países com interesses na região respaldaram uma proposta americana que impunha limites obrigatórios ao turismo na região, a fim de proteger o frágil ecossistema. Os signatários do Tratado Antártico concordaram em impor restrições vinculativas ao tamanho dos cruzeiros que levam passageiros e ao número de pessoas que podem desembarcar ao mesmo tempo.

As restrições não contêm um mecanismo específico de coerção nem penas para limitar as operações turísticas; além disso, requerem que os signatários do tratado assegurem que os operadores adotem uma série de medidas. Entre elas figuram a proibição de que navios atraquem com mais de 500 passageiros, que só um navio esteja ancorado em cada píer e que se limite a 100 o número de passageiros que podem descer das embarcações ao mesmo tempo.

Restrições a viajantes – Limitar o acesso de turistas a essa parte do continente foi uma medida de urgência por uma onda de visitas e recentes acidentes de cruzeiros, incluindo dois que encalharam na temporada 2008-09 e o naufrágio de uma embarcação em 2007.

O MS Explorer, um ferry que em 1969 inaugurou a era dos cruzeiros antárticos, foi também o protagonista de um dos episódios mais desventurados da história deste continente, quando em novembro de 2007 se tornou o primeiro a afundar. E em maio do ano passado, o iate brasileiro Mar Sem Fim, que um mês antes tinha afundado a 500 metros na baía Fildes, no arquipélago das Shetland do Sul, começou a despejar diesel após ficar encalhado.

Estas circunstâncias geraram uma grande preocupação. É por isso que existem regulações e códigos de conduta que os operadores e visitantes devem conhecer para proteger o ecossistema, como não ir às zonas restritas, não tocar nem alimentar os animais e nem deixar lixo.

Porém, uma das medidas mais importantes foi a proibição de que os transatlânticos operem com óleo pesado, que é mais difícil de eliminar em caso de acidente. Esta restrição provocou uma diminuição no número de visitantes, que na temporada anterior passou de 50 mil a 35 mil. No entanto, com os ajustes técnicos nos motores dos ferrys, o número de turistas voltará a subir neste ano.

“Não vejo o turismo como uma grande ameaça. Eu acho que vai permanecer relativamente controlado”, disse à Agência Efe o diretor do Instituto Antártico Chileno, José Retamales, para quem os riscos são maiores por conta de uma eventual exploração das fontes de energia e dos recursos naturais do continente. 
Fonte: Terra

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros