Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Lançado sistema com informações sobre desastres climáticos e seus impactos

A consolidação da parceria entre meteorologistas, climatologistas, Defesa Civil e especialistas em saúde pública foi, na opinião dos palestrantes e do público, o destaque do seminário Eventos climáticos extremos, desastres e impactos sobre a saúde – o que dizem os sistemas de informação?, realizado no Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica (Icict/Fiocruz). Iniciativa do Observatório de Clima e Saúde, do Laboratório de Informação em Saúde (Lis/Icict), o evento incluiu o lançamento de um sistema que disponibiliza informações sobre desastres climáticos e seus impactos em curto, médio e longo prazos sobre a saúde. A ferramenta, já disponível no Observatório de Clima e Saúde, servirá como auxílio ao planejamento e tomada de decisões na ocorrência dos eventos climáticos extremos, e no direcionamento de programas que minimizem os impactos.


Participaram do debate Carlos Corvalán, da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tiago Molina Schnorr, meteorologista do Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad), da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil, e Paulo Nobre, coordenador da Rede Clima do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). A mesa foi moderada pelo pesquisador Christovam Barcellos, coordenador do Lis e do Observatório de Clima e Saúde. Corvalán apresentou a palestra Mudanças climáticas, desastres e saúde, em que abordou a correlação entre mudança climática e desertificação, contaminação da água doce, saneamento e perda da biodiversidade, aumento de temperatura, entre outros fatores, e a resposta do setor Saúde a estes desafios. Na opinião do especialista, no âmbito de políticas nacionais e internacionais, a saúde ainda é timidamente representada.

“O primeiro relatório de clima e saúde da OMS foi divulgado em 1990. Mas somente em 2008 193 ministros de saúde dos Estados-Membros da América do Norte, Central, Sul e do Caribe assinaram um documento que considera como insumos as avaliações nacionais da mudança climática coordenadas pela Opas”, apontou. Para Corvalán, uma solução estaria na correlação de dados de diversos sistemas de informação em uma única plataforma, como o Observatório de Clima e Saúde.

“As mudanças climáticas trouxeram algumas oportunidades para nós olharmos para o laboratório ao lado, integrando conhecimento. Essa é uma grande chance da humanidade”, afirmou Paulo Nobre, do Inpe. Com apresentação intitulada Prevendo extremos climáticos: a necessidade do Modelo Brasileiro de Sistema Terrestre, Nobre falou sobre a necessidade de o país ampliar o acesso ao sistema, a fim de que seja amplamente utilizado pelos mais diversos perfis profissionais, estudantes e mesmo por toda a sociedade. Por fim, Nobre propôs a inserção dos modelos de saúde do Observatório de Clima e Saúde no Modelo Brasileiro de Sistema Terrestre, de modo a atenuar os possíveis efeitos do clima em algumas doenças.

Reunir profissionais da saúde, climatologistas e Defesa Civil foi o ponto alto do evento na opinião Tiago Molina Schnorr, da Cenad/Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil, que explicou como se dá o processo de registro dos desastres climáticos no Sistema Nacional de Defesa Civil (Sindec). “O desastre é fruto de uma ameaça e de uma vulnerabilidade, o que indica que precisamos trabalhar com medidas preventivas. Para isso, entre outras iniciativas, estamos tornando os Sindec mais acessível para o usuário”.

A segunda parte do evento foi dedicada à apresentação do Observatório de Clima e Saúde. A equipe do Observatório analisou os dados dos sistemas de informações da saúde, como o Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), o Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) e o Sistema de Informações Hospitalares (SIH), do Ministério da Saúde, além de outros. Com o cruzamento dos dados, foi possível observar, por exemplo, a previsibilidade dos desastres climáticos, onde as secas se repetem de quatro em quatro anos no sul do país e no nordeste. Ou, por outro lado, a sobreposição de riscos de desastres climáticos em determinadas regiões. Com esse novo instrumento, será possível aos governos estudar políticas preventivas de curto, médio e longo prazos para as regiões afetadas, como, por exemplo, a não construção em áreas de encostas da Serra do Mar, a construção de barragens de retenção que ajudem a evitar o transbordamento de rios, ou o não povoamento de locais de fundo de vale. Abriram o evento Elaine Lima e Silva, da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (SVS/MS), Carlos Machado, do Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres em Saúde (Cepedes/Ensp/Fiocruz), e Tatsuo Shubo, representando a Vice-Presidência de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde/Fiocruz, e Umberto Trigueiros, diretor do Icict.

Entrevista com Carlos Corvalán (por Graça Portela)

O epidemiologista ambiental Carlos Corvalan, da Organização Mundial de Saúde (OMS), participou do seminário Eventos climáticos extremos, desastres e impactos sobre a saúde – o que dizem os sistemas de informação?. Corvalán concedeu entrevista em que mostrou-se preocupado com os efeitos dos desastres extremos na saúde e ficou impressionado com o levantamento feito pelo Observatório de Clima e Saúde, do Laboratório de Informação em Saúde (Lis/Icict), que cruza os dados da Defesa Civil com o impacto na saúde.

Em sua palestra, o senhor falou como o setor de saúde está um tanto distante das forças motrizes. Como é possível participar mais?

Quando falamos de forças motrizes, estamos falando de grande eventos que exigem negociação, como, por exemplo, as mudanças climáticas, que foram debatidas por todos os líderes mundiais. O que expliquei é que quando estamos falando de mudanças ambientais globais – falo de grandes eventos extremos –, precisamos também incluir questões de saúde de forma mais ampla. É necessário que neste momento também tenhamos a saúde lá representada, pois o que se vê hoje é que não se leva em consideração nessas negociações os impactos que os eventos ambientais terão na saúde. Essa participação não se faz de forma regular. Mudança climática é um problema, como também desertificação, perda de diversidade biológica etc.

Os eventos climáticos e os custos. Onde está o custo mais alto e por quê?

Mostrei um gráfico que é do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (da sigla em inglês IPCC), que mostrou alguns efeitos climatológicos, meteorológicos e hidrológicos em diferentes regiões do planeta. O que mostram esses gráficos é que o custo e os danos desses impactos (desastres naturais) são mais altos nas Américas do que em outras regiões. E não sei explicar o porquê disto.

O que o senhor destaca no seminário?

Eu gostei muito. Foram apontadas coisas muito interessantes, como o trabalho que está sendo feito pelo Observatório de Clima e Saúde, esse esforço enorme de se obter dados que estão em documentos escritos e digitalizados, esse trabalho está sendo muito útil para a saúde pública. Isso nos leva a entender que, se conseguimos ter alertas sobre eventos extremos, podemos programar ações preventivas. Se estivermos mais informados, podemos agir para que doenças – infecciosas e até cardiovasculares, que se manifestam posteriormente aos desastres climáticos – não ocorram.

Fonte: EcoDebate

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros