Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

terça-feira, 21 de março de 2017

Abandono de cemitérios em Campo Grande é motivo de reclamação

No bairro Santo Amaro, por exemplo, o mato encobriu os túmulos.
Prefeitura diz que comprou roçadeiras que vão atender as demandas.


O abandono de cemitérios na capital de Mato Grosso do Sul tem sido motivo de reclamação por parte de moradores. No cemitério Santo Amaro, onde estão sepultadas mais de 40 mil pessoas, o mato alto tomou conta do espaço e encobriu os túmulos.

A prefeitura de Campo Grande anunciou a compra de 150 roçadeiras que vão ser utilizadas não só nos cemitérios, mas também em outros espaços públicos do município que precisam do serviço.

De acordo com quem tem parente sepultado no cemitério Santo Amaro, o local não recebe manutenção desde de novembro de 2016, o que atrapalha e até impede a entrada de visitantes.

Dona Maria da Graça, que foi levar uma vela até o túlo dos pais, não conseguiu fazer o que pretendia. Sequer conseguiu chegar perto. "É muito mato. Inclusive tem entulho pelo caminho por onde você passa. Ou você passa por cima do entulho ou passa por cima dos túmulos. Veja só que barbaridade", afirmou a consultora.

"A pessoa vem para enterrar um ente, aí ela já está mal e vê uma situação dessa. Isso é um absurso. Isso é indignante", afirmou em entrevista à TV Morena uma telespectadora. Ela ainda disse que a família teve que pagar cerca de R$ 2 mil por uma pequena reforma e limpeza de um túmulo.

Não é de hoje

Em janeiro deste ano o MSTV 1º edição mostrou o problema, também no cemitério Santo Amaro; mas na época a situação era menos complicada. O acesso aos túmulos não era tão difícil, devido ao fato do mato ainda estar baixo.

A prefeitura havia informado que o trabalho de roçagem se concentraria em escolas e centros de educação infantil como preparação para o começo das aulas, que tiveram inicio em fevereiro. Cemitérios e outros espaços públicos estavam em uma segunda etapa do serviço.

Assista a reportagem aqui.
Fonte: G1

Eco & Ação

Ecologia

Loading...

Postagens populares

Parceiros