Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Dilma critica bloqueio de rodovias e diz que atos violentos têm que ser coibidos pelo governo

Presidente está no Uruguai para participar da cúpula do Mercosul
Ao desembarcar em Montevidéu (Uruguai), na noite desta quinta-feira (11), para a reunião de cúpula do Mercosul, a presidente Dilma Rousseff fez um balanço dos protestos promovidos em todo o País. Segundo ela, “as manifestações têm que ser respeitadas” porque reivindicar direitos sociais “e querer mais é algo muito positivo para a democracia”.

Dilma criticou, no entanto, as interrupções de rodovias e os atos violentos que, em sua opinião, precisam ser condenados e coibidos pelo governo.

— Nós contamos também com o Judiciário, para multar aquelas organizações e aquelas entidades que paralisam estradas porque o direito de ir e vir é fundamental. É um direito democrático.

 As afirmações foram feitas em entrevista na porta do hotel em que a presidente está hospedada. Para ela, o governo deveria acelerar as reformas para atender às demandas da população.

— Precisamos de melhor serviço no Brasil.

Dilma lembrou que, nos últimos dez anos, o País “avançou de forma expressiva”. Essas conquistas, disse, “vieram para ficar e não serão de nenhuma forma abaladas”. Cabe agora “aumentar os direitos sociais”.

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante — que acompanha a presidente na viagem a Montevidéu — também criticou o bloqueio de estradas porque “prejudica a vidas das pessoas e não constrói nada – não gera mais democracia, nem mais direitos sociais”.

Ele também afirmou que as manifestações precisam ser respeitadas, mas que os manifestantes também precisam respeitar os direitos dos outros.

— Isso faz parte do amadurecimento e acho que está cada vez mais sólido.

Mercadante considera que os protestos estão “mais moderados”. Segundo ele, o Brasil está encerrando um ciclo.

Para o ministro, a inflação vai cair. Ele voltou a defender destinação de 75% dos recursos dos royalties do petróleo e dos rendimentos do Fundo Social à educação e de 25% à saúde. Mercadante lembrou a licitação para o campo de Libra, na Bacia de Santos, em outubro.

— É a maior licitação da história da economia internacional do petróleo. São entre 8 bilhões e 12 bilhões de barris. A estimativa é que Libras produza, em 35 anos, US$ 1 trilhão aproximadamente. Usar essa riqueza para a educação é um grande avanço.

Fonte: Portal R7

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros