Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

quinta-feira, 11 de julho de 2013

O virus da violência

Há uns dias, a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou um relatório aterrador: segundo as últimas investigações, uma em cada três mulheres no mundo já sofreu violência física, sexual ou ambas por parte de seus companheiros.
Foi o primeiro estudo sistemático em âmbito mundial que recopilou os dados sobre a violência contra as mulheres exercida por seus companheiros e por outras pessoas. Comprovou-se que em qualquer continente ou região do mundo uma mulher corre mais risco de ser violentada e abusada por seu companheiro do que por uma pessoa desconhecida.

Não temos que ir longe para encontrar um exemplo, já que o mundo ficou pasmado ante uma recente notícia sobre uma menina boliviana de 12 anos grávida após sofrer anos de violações por parte de seus familiares mais próximos: seu pai,s eu tio e seu padrinho.

Segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística e Geografia (Inegi), 47 em cada 100 mexicanas que cumpriram 15 anos e já tiveram companheiro, foram vítimas de situações de violência física, econômica, sexual ou emocional por parte de seu ex-companheiro ou seu companheiro atual.

De acordo com especialistas no tema, as estatísticas não variam drasticamente dentro de grupos com diferentes níveis de educação, socioeconômico, nacionalidades ou religiões. Para realizar uma breve comparação, na Rússia há registro de incidente de violência em uma de cada quatro famílias.

Infelizmente, a realidade não mudou muito desde que, em 1979, a ONU reconheceu que a violência no âmbito familiar é o crime encoberto mais frequente do mundo.

Desde finais do século passado, o tema deixou de ser proibido e realizaram-se inúmeros esforços para sensibilizar ao público e transformar sua percepção do problema. Porém, sabemos que no mundo continua igual. Por que é tão difícil exterminar a violência dentro de nossos lares?

Independentemente da nacionalidade ou da origem das mulheres que sofreram a violência, suas razões para não denunciar os atos de agressão são muito similares: em muitas ocasiões, a mulher pode estar convencida de que a constante violência dentro de sua família é normal, que ela própria é a causadora e a culpada de tudo.

Outra razão muito mencionada é o medo, seja à instabilidade econômica, a não poder manter os filhos/as, medo de separar a família, entre outros.

A mulher que está envolvida em um ciclo de constante violência pode padecer de Síndrome de Indefensão Aprendida: quando a vítima acredita que é indefesa e não tem controle sobre a situação. Em sua mente, qualquer tentativa de mudar sua realidade será inútil ou causará maior dano.

Porém, o que sofre danos severos é sua saúde, pois a OMS menciona as seguintes possíveis consequências: morte e lesões (38% das mulheres são assassinadas por seus companheiros); gravidez indesejada e abortos; depressão; problemas com o uso de álcool e drogas e infecções de transmissão sexual.

De fato, a violência intrafamiliar foi reconhecida pela OMS como “um problema de saúde global, de proporções epidêmicas”.

Todos sabemos que quando alguém adoece, pode ficar incapacitado para ajudar a si mesmo ou para reconhecer a existência de sua doença.

Para os problemas de saúde mais comuns, existem hospitais, consultas médicas e ambulâncias. Porém, quem ajudará a uma pessoa que está exposta à violência intrafamiliar, uma vez que seus sintomas não são tão fáceis de reconhecer à primeira vista?

Sim, existem várias instituições que colaboram na investigação sobre o tema, com a proteção das vítimas; com a defesa de seus direitos humanos… Porém, esse esforço é suficiente para vencer a enfermidade de uma vez por todas? A realidade nos demonstra que não.

Então, o que podemos fazer a respeito? A resposta é, ao mesmo tempo, fácil e difícil, já que todos nós podemos ser médicos e combater com êxito a epidemia da violência. Não podemos deixar todo o trabalho em mãos do governo e das organizações não governamentais, cujos recursos e capacidades de resposta podem ser limitados.

A responsabilidade também recai sobre nós. Temos que informar-nos, ler constantemente sobre o tema, falar com as pessoas e sensibilizá-las.

A violência –como qualquer vírus- não é invencível. É preciso ser conscientes das medidas preventivas e reativas; “vacinar-nos” com a informação objetiva; cuidar-nos e cuidar aos nossos seres queridos e, claro, correr a voz para não deixar que a violência se propague.

Convido as/os leitores a que recordem que o dia para combater a violência contra as mulheres não é o dia 25 de novembro de cada ano; mas, é hoje e agora. Finalmente, segundo as estatísticas, há muitas probabilidades de que a mulher com quem conversamos diariamente seja uma vítima da violência. Você pode salvar a vida dessa pessoa.

* Alena Pashnova é jornalista russa residente no México.

Fonte: Mercado Ético

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros