Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Palestrante defende alternativas ao uso de animais em pesquisas

O uso de animais em pesquisas científicas é um assunto controverso. Há quem seja contra e há quem defenda a prática. O tema polêmico foi discutido nesta quinta-feira (24), durante 66ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), em Rio Branco.
Palestrante no evento, o professor doutor e pesquisador José Mauro Granjeiro, do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), defendeu o uso de métodos alternativos à utilização de animais, quando houver possibilidade de substituição, mas reconhece que o país precisa avançar nessa área.

Granjeiro explicou que, diferente da pesquisa cientifica, a área do ensino ainda não tem uma referência para a validação de métodos alternativos ao teste no uso de animais. “Temos um competência fantástica na área de educação que pode estabelecer estratégias e ferramentas para avaliar métodos de ensino, e por que não métodos alternativos? É um grande desafio que o nosso país tem e temos competência para desenvolver isso”, afirma.

Para o pesquisador, apesar de o Brasil ter competência para realizar ensaios alternativos que reduzam ou substituam o uso de animais, existem poucos laboratórios reconhecidos pelas Boas Práticas Laboratoriais (BPL), um sistema de gestão da qualidade e uma documentação adequada de todos os procedimentos realizados.

“Ele dá mais confiança a quem analisa os resultados, que foi feito adequadamente. Quando a gente analisa o número de laboratórios reconhecidos em BPL no Brasil, verificamos que são poucos, apenas 33. Desses, apenas cinco ou seis fazem, por exemplos ensaios toxicológicos, e a maioria faz ensaios utilizando animais. Em outras palavras, nós temos pouquíssimos laboratórios reconhecidos em BPL que já façam ensaios alternativos”, diz.

Ele ressalta que o uso de métodos alternativos é utilizado em casos específicos. Cada tipo de pesquisa tem uma forma diferenciada ao uso de animais e a possibilidade, ou não, da existência de um método alternativo.

“Algumas perguntas são muito claras, como por exemplo, o material produz irritação ocular? Então, existe um método que responda essa pergunta sem precisar de animal. Agora quando a gente pergunta se determinado composto químico pode promover efeito negativo no sistema reprodutivo do animal ou ser humano, não temos métodos alternativos para ver o sistema reprodutivo ser afetado”, exemplifica o professor.

Ele explica que a definição do uso de animais, seja para fins científicos ou didáticos, é definido pelo Comitê de Ética de Uso de Animais (Ceua) que existe em cada instituição que necessite realizar testes. “É o comitê que recebe o protocolo, enviado pelo pesquisador, analisa, discute, pede alguma modificação e no final rejeita ou aprova, de acordo com as diretrizes das regulamentações que o Concea [Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal] vem estabelecendo e que a lei determina”, dz.

Granjeiro afirma que uma resolução que proíba imediatamente o uso de animais em favor do método alternativo é inviável, por isso, o conselho aprovou uma resolução que prevê até cinco anos para que o método alternativo validado seja implementado. “A gente corre o risco de colocar o país em uma situação de impasse, porque não tem laboratório pronto agora para mudar toda uma tecnologia para outra, elas são muito distintas. Por isso a resolução 17/2004 prevê até cinco anos e só a partir disso, se proibiria o uso de animal para aquele tipo de ensaio a qual se refere o método alternativo aprovado”, afirma.

A estudante de veterinária Raissa Moraes participou da palestra e sabe da necessidade do uso de animais para fins didáticos. Ela percebeu que a questão do uso de animais ‘vai muito além do que pensava’. “A palestra é bastante rica em informações, mostrando que essa questão de uso de animais, vai muito além do que pensamos e não é tão simples assim. Como foi mostrado na palestra, substituir esse uso envolve muitas questões que nós, estudantes, talvez não imaginávamos”, diz. 

Fonte: G1

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros