Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

MMA debate matriz energética regional

A busca por alternativas da matriz energética é assunto que está sempre em pauta no Departamento de Combate à Desertificação do Ministério do Meio Ambiente (MMA).


Isso porque um dos principais condutores do processo de desertificação no Brasil é o uso indiscriminado dos recursos florestais nas regiões semiáridas e subúmidas secas. O fato se torna mais grave por não existirem critérios de manejo sustentável para atender à demanda da matriz energética de biomassa florestal, que responde por 30% da energia regional.

O diretor de Combate à Desertificação do MMA, Francisco Campello, esteve em Recife, na terça-feira (29), para participar do “Fórum Sudene de Energia: Desafios e Oportunidades para a Diversificação da Matriz Energética Regional”.

Nele foram abordadas as perspectivas para ampliação da matriz energética regional e o papel da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), com destaque para as principais ações implantadas e os parceiros envolvidos no processo, como os ministérios setoriais, universidades, centros de pesquisa, federações das indústrias e bancos de fomento.

Desafio – Durante o evento foi abordada a oportunidade da região Nordeste se somar ao desafio do Brasil nos seus compromissos para a ampliação da matriz energética renovável, por meio da oferta de biomassa florestal da Caatinga e Cerrado.

A proposta é desenvolver planos de manejo florestal que possibilitem o uso sustentável da biodiversidade e possibilitem a conservação da paisagem de forma inclusiva, ofertando energia renovável de baixo custo e sustentável. Foi abordada ainda a utilização de instrumentos como os pagamentos de serviços ambientais (PSA) e credito de carbono nas ações de manejo florestal.

Para Campello, esse comportamento apresenta alternativa ao principal vetor da desertificação, que é o desmatamento para atender à demanda de energia primária. “O manejo florestal, além de ser uma prática agroflorestal, de convivência com a semiaridez pode ser visto como uma ação adaptada às mudanças do clima”, disse. “Eleva, assim, o debate, pois possibilita que a sociedade seja parceira do Governo no cumprimento das metas (INDC) no âmbito dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) que tratam sobre o uso sustentável da biodiversidade”, afirmou. 

Fonte: MMA

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros