Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Descontaminação de Fukushima custará 4 vezes mais que o esperado


Os trabalhos de descontaminação radioativa da área de Fukushima, epicentro da crise nuclear do Japão em 2011, custarão aproximadamente R$ 114,6 bilhões, um valor quatro vezes acima do previsto pelo governo, revelou nesta quarta-feira (24) um estudo apresentado por especialistas do Instituto Nacional de Ciências e Tecnologias Avançadas do Japão (AIST).

Um grupo de trabalho do AIST calculou que o custo da limpeza pelo acidente na zona de exclusão alcançará aproximadamente R$ 44,1 bilhões, enquanto o restante da província afetada custaria mais R$ 66,1 bilhões.

Após o tsunami, que em março de 2011 causou a pior crise nuclear desde Chernobil na usina de Fukushima Daiichi, o governo iniciou os trabalhos de limpeza e decretou uma zona de exclusão de 20 quilômetros em torno da central devido aos altos índices de radiação, o que mantém afastadas dezenas de milhares de pessoas.

A estimativa se baseia nas despesas realizadas pelo governo e nos dados apresentados pelas prefeituras locais, que incluem o custo da mudança e armazenamento de resíduos radioativos, assim como o da terra contaminada.

Até o momento, o governo central já destinou mais de R$ 22 bilhões para os trabalhos de limpeza e descontaminação, informou a agência “Kyodo”.

O projeto, que está atrasado, recebeu críticas por sua falta de efetividade, já que os níveis de radiação se mantêm elevados em algumas áreas, inclusive depois da suposta descontaminação.

Uma das especialistas responsáveis pelo estudo, Junko Nakanishi, criticou em declarações recolhidas pela 
emissora pública “NHK” o fato de que o governo está desenvolvendo os trabalhos sem saber quanto ustará para conseguir atingir os níveis de limpeza exigidos pelos residentes, alguns deles ainda evacuados.

Neste sentido, algumas organizações ambientalistas – como o Greenpeace, por exemplo -, qualificaram os trabalhos de descontaminação de Fukushima como “irregulares e insuficientes”. 

Fonte: G1

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros