Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Tecnologia espacial ajuda na conservação

O que parecia ficção científica se tornou realidade. O projeto de Cooperação Internacional para a Pesquisa Animal Utilizando o Espaço (Icarus), cuja fase de testes começará em 2017, desenvolve sensores alimentados por energia solar, pesando entre um e cinco gramas, que são acoplados a pássaros cantores, libélulas e escaravelhos.


Nova Délhi, Índia, 20/9/2016 – Todos os anos, em novembro, a praia indiana de Gahirmatha, no Oceano Índico, se tinge de uma cor café-acinzentado durante 60 a 80 dias, porque cerca de meio milhão de tartarugas verdes chegam para desovar e deixam aproximadamente cem ovos cada uma. Porém, pouco se sabe da rota migratória dessa espécie em perigo. O desconhecimento dificulta a possibilidade de tomar medidas para proteger a minguante população da destruição de seu habitat, do aquecimento global e da pesca de arrasto.

A crescente pressão exercida pela mudança climática, pela perda de ecossistemas e pelos crimes contra a fauna e a flora silvestres, que colocam em risco a biodiversidade em todo o mundo, levou numerosos cientistas a recorrerem à tecnologia espacial para tentar remediar a situação.

As libélulas, os escaravelhos e os pássaros cantores migratórios logo poderão estar conectados a satélites espaciais e ajudar a prever desastres naturais e a propagação de zoonoses, doenças que os animais passam aos seres humanos, como as gripes suína e aviária. Os radares ajudarão a localizar os caçadores ilegais mediante sensores infravermelhos, que detectarão os movimentos agitados dos elefantes, por exemplo. As câmeras que orbitam no espaço podem detectar inclusive enfermidades dos cultivos e espécies invasoras em locais de difícil acesso.

O que parecia ficção científica se tornou realidade. O projeto de Cooperação Internacional para a Pesquisa Animal Utilizando o Espaço (Icarus), cuja fase de testes começará em 2017, desenvolve sensores alimentados por energia solar, pesando entre um e cinco gramas, que são acoplados a pássaros cantores, libélulas e escaravelhos. Os dados transmitidos não informarão apenas sobre seus movimentos e sua posição geográfica, mas darão pistas importantes sobre as funções corporais ou sobre os sentidos do animal, além de indicadores significativos a respeito de desastres naturais iminentes.

Até 2020, os sensores do Icarus poderão ser suficientemente pequenos para serem acoplados a um gafanhoto, e talvez seja possível utilizar microssensores para controlar o voo do inseto e desviar um enxame de cultivos valiosos, explicaram pesquisadores do Instituto de Ornitologia Max Planck, da Alemanha. Os especialistas do Icarus afirmaram que a vida das baterias é um grande limitador para rastrear animais pequenos, porque as miniaturas que podem carregar não duram muito.

No entanto, a estação internacional da agência espacial russa Roscosmos, onde será instalado o equipamento do Icarus, está mais perto da terra do que os satélites, o que permitirá diminuir a energia necessária para carregar os dados. E, para economizar mais bateria, somente quando houver contato visual com a ave em voo é quea estação ativará o minitransmissor do pássaro, que estará no modo economia de energia, e demorará poucos segundos para transmitir os dados à estação.

A urgência de recorrer a outros métodos de patrulhamento para controlar a caça ilegal e o comércio ilegal de fauna e flora silvestres, se depreende do Informe Mundial de Crimes Contra a Vida Silvestre deste ano. O documento foi elaborado a partir da plataforma World Wise (World Wildlife Seizures, ou apreensões de fauna silvestre do mundo), que contém dados de mais de 164 mil apreensões relacionadas com o crime contra cerca de sete mil espécies em 120 países, entre 2004 e 2015.

O tráfico de fauna e flora silvestres agora é reconhecido como uma área especializada dentro do crime organizado, além de ser uma grande ameaça contra espécies vegetais e animais. O comércio ilegal será o eixo da 17ª Conferência das Partes da Convenção sobre Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora Silvestres (Cites), que acontecerá entre os dias 24 deste mês e 5 de outubro, em Johannesburgo, na África do Sul.

Segundo o informe do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) de 2016, estima-se que essa atividade movimente entre US$ 7 bilhões e US$ 23 bilhões por ano. Como os caçadores ilegais utilizam tecnologia cada vez mais sofisticada, os guardas florestais devem estar à altura e se equipar. Quando avançam para matar, os elefantes e os rinocerontes costumam se comportar de forma incomum. Os sensores nos animais ajudam a detectar esse comportamento e enviam alertas aos responsáveis pela segurança, dando a eles tempo para reagir.

Outras constelações (dez ou mais) de alta resolução de satélites-radar, ao contrário dos satélites óticos para observar a Terra, são suficientemente poderosas para penetrar na densa cobertura florestal, nas nuvens e na escuridão da noite, que ajudam a camuflar os caçadores ilegais, afirmam os especialistas. E os sensores infravermelhos instalados nos drones, controlados pelo sistema de posicionamento global (GPS), também ajudam a detectar fogueiras ou corpos quentes escondidos na selva africana, acrescentam.

Já há satélites avançados controlando o desmatamento ilegal, o avanço do desmatamento e até a umidade do solo. O lançamento de imagens via satélite hiperespectrais, isto é, imagens detalhadas em centenas de longitudes de ondas eletromagnéticas, permitem avaliar a dimensão do desastre, o crescimento de cultivos e das enfermidades, a disponibilidade de água em áreas de difícil acesso e o derretimento de geleiras, além da biodiversidade em geral.

Especialistas em desenvolvimento concordam que as ferramentas espaciais podem ter um papel importante e diverso no cumprimento dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), especialmente o de número 15, sobre “promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, lutar contra a desertificação, deter e inverter a degradação das terras e frear a perda da diversidade biológica”.

Os países em desenvolvimento, com grande diversidade biológica, requerem forjar associações e contar com assistência técnica gratuita, além de transferência de conhecimentos, recursos adequados e construção de capacidades em tecnologias vinculadas ao espaço, para poderem cumprir a Agenda de Desenvolvimento para 2030. Mas o alto custo das soluções tecnológicas e o acesso aos últimos conhecimentos e avanços científicos são um grande obstáculo para o Sul Global.

“A comunidade internacional deve criar dispositivos espaciais de baixo custo para compartilhar com os países em desenvolvimento, como o transmissor solar (Icarus) que a Alemanha desenvolve”, afirmou Saroj Koirala, especialista em tecnologia geoespacial do Fundo Mundial para a Natureza (WWF) do Nepal. “Seria muito valioso podermos dispor deles por US$ 50 ou US$ 100”, ressaltou à IPS.

O coordenador das análises espaciais do WWF Índia, Shashank Srinivasan, enfatizou à IPS que a não ser pelo wildlabs.net, que permite compartilhar tecnologia relevante para a conservação, não conhece outro tipo de iniciativa que permita fazer o mesmo em escala nacional, nem regional ou internacional, nem fundos que o facilitem.

Os especialistas destacam a necessidade de conscientização entre dirigentes políticos e autoridades sobre a importância das tecnologias espaciais para gerar políticas e destinar fundos ao setor. Como a conservação da natureza está muito ligada aos modos de subsistência, as pessoas devem pressionar seus governos para que destinem recursos às tecnologias avançadas, destacouKoirala. 

Fonte: Envolverde

Eco & Ação

Ecologia

Loading...

Postagens populares

Parceiros