Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

segunda-feira, 3 de abril de 2017

O túmulo de Cristo - Documentário de James Cameron

O cineasta James Cameron acaba de produzir, o documentário "O sepulcro esquecido". O filme promete polémica, pois Cameron, corroborado pelas conclusões de investigações de um grupo de cientistas, teria anunciado, em conferência de imprensa, que o túmulo de 2 mil anos encontrado em Talpiot em 1980, nos subúrbios da Cidade Santa, poderá ter sido utilizado para guardar os restos mortais de Jesus e da sua família.
Arqueólogos reclamaram ter encontrado dez caixões e três crânios. Em seis destes repositórios de ossadas da antiguidade constam inscrições traduzidas como Jesus, filho de José; Judá, filho de Jesus; Mariamnen (nome atribuído a Maria Madalena); Maria, a mãe; José; e Mateus. Nomes aparentemente comuns naquela época. O filme, que custou US$ 2 milhões (quase R$ 4,5 milhões), será exibido mundialmente pelo canal de TV Discovery.

Os realizadores do documentário retiraram amostras dos ossuários de "Jesus" e "Madalena" para análise de DNA no laboratório da Universidade de Lakehead, em Ontário, no Canadá. O exame determinou que os dois indivíduos não tinham relações sangüíneas, o que significa que não eram parentes sepultados na mesma tumba, como era comum na época. Desta forma, o diretor do filme, Simcha Jacobovici, sugere que "Jesus" e "Madalena" eram um casal que tinha um filho.
Os realizadores consultaram um professor de estatística e matemática da Universida de Toronto, também no Canadá, para calcular se a relação dos nomes de personagens bíblicos encontrados na tumba em Talpiot poderia ser mera coincidência. Andrey Feuerverger concluiu, de acordo com o Discovery Channel, que as chances eram na proporção de 600 para 1 de a tumba ter sido realmente da família de Jesus.

Ciente da repercussão do documentário, James Cameron afirmou que não havia nada maior do que este caso. "Fizemos nossa tarefa, agora é hora do debate começar".  O cientista que supervisionou as escavações em 1980, Amos Kloner, disse ao The Jerusalem Post que o nomes eram coincidência. "Jesus e a família eram uma família da Galiléia, sem laços com Jerusalém. O túmulo de Talpiot pertencia a uma família de classe média do primeiro século", garantiu.

Fonte: Blog Turismo Cemterial

Eco & Ação

Ecologia

Loading...

Postagens populares

Parceiros