Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

quinta-feira, 6 de junho de 2013

Afinal, de que lado está a justiça brasileira?

Artigo de Paulo Pavesi, Gerente de Sistemas, cidadao italiano, há mais 10 anos luta contra a Máfia do Tráfico de Órgãos de Minas Gerais. Agora sob proteção internacional do Governo Italiano através de asilo humanitário concedido em 17 de Setembro de 2008.


Afinal, quem é vitima?





Para a justiça brasileira atual, a preocupaçao é o criminoso. Mas a preocupaçao nao é puni-lo e sim protege-lo. Nos superamos a fase de "bandido bom é bandido morto". Agora estamos numa fase onde, "bandido bom é bandido protegido".

E a vitima? Bom, a vitima nao é problema da justiça. Tenho percebido que ha entre alguns magistrados novos conceitos interessantes. Estes acreditam que aqueles que pedem justiça estao na verdade querendo vingança! Como se a lei fosse algo secundario. Nos, as vitimas, os sobreviventes daqueles que morreram, e mesmo os mutilados (fisicamente ou psicologicamente), somos pessoas ruins. Queremos ver a desgraça dos outros.

Ha 10 anos atras, quando uma vitima era entrevistada dizia: "Nos queremos justiça!". Em outras palavras, desejamos que a lei seja cumprida. Nem precisaria falar isso se tivessemos em um pais serio nao é mesmo? Mas no Brasil, é necessario deixar o recado. Atualmente os discursos mudaram. Quando alguma vitima é entrevistada, ela diz: "Nos nao queremos vingança. Queremos apenas a justiça!".

E por que tudo isso? Porque estamos diante de fatos que jamais pensariamos presenciar. Os bandidos estao ganhando o espaço da vitima. A justiça esta protegendo os bandidos em detrimento dos direitos fundamentais das vitimas.

Aquele que mata uma criança para vender os seus orgaos, é o coitadinho. Alguns deles apelam: "Tenho familia, tenho filhos!". E quando voce matou uma criança, se preocupou a familia dela? Para estes assassinos, o bandido é a vitima cujos pais resolveram cobrar a lei.

Aquele que rouba os cofres publicos é o coitadinho. Ruim sao aqueles que trabalharam, pagaram seus impostos em dia (muitas vezes com grande dificuldade), e insistem que o dinheiro nao pode ser roubado.

Para tais situaçoes, a justiça tem sido bastante cautelosa. Traficantes de orgaos estao obtendo passaporte para continuar matando. Ladroes dos cofres publicos, estao recebendo a bençao de certas decisoes.

Por que estou falando isso? Faço em defesa de pessoas honestas e que sacrificaram suas carreiras em beneficio das vitimas e nao afagando os reias marginais.

Em especial, falo de dois magistrados. Um deles o juiz Narciso de Castro, que apos ingressar na comarca de Poços de Caldas, deparou-se com diversas mafias mas nao se amedrontou.

Fez o que devia ser feito! Embora a mafia tenha tentado me ligar a ele, ou liga-lo a mim, eu jamais conheci este cidadao, e confesso: desejaria muito conhece-lo. Mas uma vitima nao pode ter acesso a um juiz. Os bandidos sim! Estes frequentam gabinetes e corredores dos tribunais de justiça apertando as maos de desembargadores e entregando alguns presentinhos. Isto é permitido.

Nao encontramos mais pessoas com a coragem deste magistrado. O resultado do seu trabalho  pode cair no poço da impunidade, mas o seu esforço nao sera em vao, poso garantir. Ele condenou aqueles que diziam salvar vidas, mas estavam matando pacientes. E sua fundamentaçao pode até ser desprezada, mas jamais podera ser contrariada. Narciso representa a vontade de milhares de Poçoscaldenses que tenho certeza, desejam acabar com estas mafias.

O outro magistrado é Fernando Cordioli. Assim como Narciso, ele esta contrariando a indecencia. Eu nao poderia deixar passar em branco o seu esforço para nao ser tragado pela suprema safadeza. Por sorte, Cordioli esta sendo assistido pelo instituto Eco&Açao, cuja responsavel conheço pessoalmente e tem um carater admiravel. Seria muito bom se esta associaçao pudesse acompanhar outros juizes que sofrem da mesma perseguiçao.

Este blog resolveu quebrar o silencios dos coniventes. A imprensa nao pode quer falar nestes casos.

Desejo que ambos encontrem amparo de colegas e que a liberdade de decidir seja sempre respeitada pelo bem da democracia. Deixo para o leitores deste blog, o texto que encontrei e achei importante publica-lo. 
(...)

Fonte: http://ppavesi.blogspot.com.br/2013/06/afinal-de-que-lado-esta-justica.html


Um comentário:

  1. Sendo curto e grosso: os profissionais que deveriam estar a serviço da Justiça (que está de quatro) dependem dos crime - assim como os médicos dependem da doença - e etc e tal.

    FALTA EDUCAÇÃO ÉTICA.

    ResponderExcluir

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros