Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Operação prende manifestantes e começa a derrubar árvores no Gasômetro

Na madrugada desta quarta-feira (29), a prefeitura municipal de Porto Alegre e a Brigada Militar do Rio Grande do Sul deram início à operação para derrubar as árvores próximas à Usina do Gasômetro e desmontar o acampamento em que manifestantes resistiam à medida, localizado ao lado da Câmara Municipal. Pelo menos 27 pessoas foram presas e conduzidas para a sede do 9º Batalhão de Polícia da Brigada Militar, localizado em frente ao Mercado Público, no Largo Glênio Peres.


A operação começou entre as 3h e as 4h desta madrugada. Enquanto a polícia se dirigia ao acampamento, a EPTC realizava a interdição de todas as vias que davam acesso ao trecho onde estavam as mais de 100 árvores a serem cortadas.

Na noite de ontem (29), os manifestantes foram surpreendidos por uma ordem judicial que previa a reintegração de posse do acampamento para reiniciar as obras de duplicação da via – ordem retirada pela própria Prefeitura poucas horas depois. O poder municipal havia alegado que buscaria outra solução para o impasse. No entanto, na madrugada desta quarta-feira, por volta das 3h, a operação teve início na Avenida Beira-Rio e pôs fim à resistência que os acampados mantinham há mais de quarenta dias.
As vereadoras Sofia Cavedon (PT) e Fernanda Melchiona (PSOL), presentes nas últimas marchas sobre o tema, acompanharam a situação dos ativistas, que tiveram que assinar termos circunstanciados no 9º BPM. Eles foram acusados dos crimes de desobediência, desacato e resistência. Segundo o Tenente Claudio Bayerle, do 9° Batalhão da Brigada Militar, três pessoas foram liberadas já no início da manhã por serem menores de idade. Antes do final da manhã, todos os demais foram liberados.
O procurador-geral do Município, João Batista Linck Figueira, afirmou ao Sul21 que as tratativas para reiniciar a obra foram conjuntas: ”A decisão obviamente partiu da prefeitura, mas quem encaminha o momento mais adequado e as questões de segurança é a Brigada Militar”.
A advogada Karen Becker, a primeira a conseguir ingressar dentro do 9º BPM, ainda por volta das 5h30min, afirma que houve truculência no trabalho policial: “Eles foram algemados indevidamente e alguns tiveram lesões. Além disso, alguns pertences do grupo foram quebrados”. Ela conta que os manifestantes presos não puderam recolher seus documentos para comparecer identificados à delegacia.
Ativistas relatam agressões sofridas por policiais militares
Os manifestantes que estavam detidos no 9º Batalhão de Polícia Militar foram liberados por volta das 7h50min e se dirigiram a um caminhão que estava estacionado próximo ao local com todos os pertences e equipamentos recolhidos no acampamento. A todo momento, eles exibiam materiais que foram danificados durante a operação.
“Éramos no máximo 30 pessoas dormindo no acampamento e chegaram mais de 150 policiais do Choque batendo nas pessoas e derrubando as barracas. Tiraram um cachorro que estava no meu colo e me jogaram no chão. Eram três policiais em cima de cada um”, relata a ativista Laís Miranda.
Outro manifestante afirma que a operação foi “extremamente rápida” e que, além das agressões físicas, os policiais insultaram os acampados com xingamentos como “vadia” e “cadela”.
Rodrigo Alberto estava dormindo quando a Brigada Militar chegou e conta que foi arrancado à força de sua barraca. “Eu estava dormindo e me puxaram para fora da barraca e me deram um soco na barriga”, recorda.
De acordo com o relato dos manifestantes, eles foram algemados já no acampamento. Durante cerca de 20 minutos a polícia teria reunido o grupo em um espaço do acampamento e os algemado.
Após o recolhimento dos pertences, os ativistas se dirigiram ao Hospital de Pronto-Socorro (HPS) para realizar o exame de corpo de delito. A maioria deles apresentava arranhões, lesões e escoriações no braço e nos pulsos por conta das algemas. Em seguida, o grupo pretende organizar um protesto em frente à prefeitura da Capital.

Fonte: Sul 21

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros