Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Governo argentino rebate críticas sobre gestão de inundações

O governo argentino respondeu nesta quinta-feira (13) às críticas ao manejo da situação causada pelas inundações, que deixaram milhares de desalojados nos últimos dias na província de Buenos Aires, cujo governador, o governista Daniel Scioli, retornou nas últimas horas ao país.

“O governo nacional está presente desde o primeiro momento”, afirmou hoje o chefe do gabinete argentino, Aníbal Fernández, em resposta às queixas apresentadas por moradores das regiões afetadas e por políticos da oposição.

Pelo menos seis mil pessoas ainda estão desalojadas por causa do transbordamento dos rios e, embora muitas localidades portenhas, como Luján, Salto, Recifes e San Antonio de Areco, continuem alagadas, a situação melhora lentamente, segundo Defesa Civil.

Segundo fontes dos serviços de Defesa Civil da província de Buenos Aires, cerca de 10 mil pessoas estavam até ontem em abrigos, mas o número pode ser o dobro porque, segundo a imprensa, muitas pessoas preferiram se refugiar em casa de familiares ou conhecidos e não entraram nos cálculos oficiais.

O temporal deixou três mortos, e uma pessoa ainda está desaparecida.

As inundações se transformaram em um tema da campanha das eleições gerais de outubro, sobretudo porque o ausente Scioli é o candidato governista à presidência e o favorito de acordo com os resultados das recentes eleições primárias.

Scioli retornou hoje à Argentina, interrompendo uma viagem à Itália, onde tinha voado para realizar uma revisão médica, e se reuniu com o comitê de emergência da província.

A ausência do governador em plena crise valeu a ele duras críticas e ofuscou o triunfo nas primárias de domingo.

Além disso, é a segunda vez em menos de um ano que várias localidades da província de Buenos Aires, a mais rica e populosa do país, sofrem severas inundações pelo transbordamento dos rios.

O chefe de gabinete criticou os que “pretendem tirar vantagem politiqueira de um fato destas características, e a realidade é que não se deve oferecer, mas é preciso calçar as botas, arregaçar as mangas e trabalhar”.

A província de Buenos Aires é a região mais afetada pelas chuvas, que começaram há uma semana.

Fonte: UOL

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros