Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Espaço vivo

Ao contrário do que parece, há muita vida pulsando nos cemitérios: seja em belíssimas obras de arte, ou em preciosas informações sobre a história.


Eles nunca gozaram de boa fama, e pede o bom senso que sejam o último lugar a ser visitado em qualquer cidade. Não é o caso, entretanto, da cidade que mais recebe turistas no mundo, onde a sétima atração turística mais freqüentada é – pasmem – um cemitério. Os túmulos do Père Lachaise, em Paris, recebem hordas de visitantes do mundo inteiro, competindo com os famosos museus. Entre nós, todavia, “visitar um cemitério” ainda soa estranho. Na contramão dos preconceitos, pretende-se demonstrar como a visita a um cemitério – em suas diversas dimensões sociais, religiosas e artísticas – pode ser tão produtiva e prazerosa quanto a visita a uma biblioteca ou museu. 

O cemitério é uma criação recente no mundo luso-brasileiro, e antes de sua difusão as pessoas eram sepultadas dentro das igrejas católicas. A explosão demográfica e as possibilidades de propagação de doenças acarretaram a proibição desse costume. Houve mesmo revoltas populares durante a fundação dos primeiros cemitérios no país, e uma delas, ocorrida em Salvador, no ano de 1836, foi liderada por um coronel e batizada de Cemiterada. Mesmo com a implantação de cemitérios laicos, a Igreja Católica continuou com o controle do novo espaço, impedindo muitas vezes que nele fossem enterrados cristãos de confissão protestante, assim como muçulmanos e judeus.

A ocupação dos cemitérios obedece, geralmente, a critérios religiosos, econômicos ou sociais. Os principais cemitérios religiosos no Brasil foram destinados aos protestantes históricos e judeus. Com o surgimento de outras comunidades etnoculturais, surgem mais cemitérios exclusivos. Essa tendência, entretanto, não é nova: no povoado sergipano de Samambaia, município de Tobias Barreto, há muito existem dois cemitérios distintos: um laico, para os católicos, e outro para acatólicos, sobretudo presbiterianos de origem cristã-nova portuguesa. Há notícias mesmo de que no Maranhão, em Barra do Corda, ainda existe um cemitério para brancos e outro para negros. Nas grandes cidades, porém, prevalece a divisão econômica, com cemitérios para ricos, e outros para os pobres.

Fonte: Revista de História

Eco & Ação

Ecologia

Loading...

Postagens populares

Parceiros