Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Tecnologia pode ser usada em cemitérios municipais de Salvador

Saiba quanto custa sepultamento hoje na cidade


O Secretário de Desenvolvimento Urbano de Salvador, Guilherme Bellintani, revelou que o sistema de verticalização usado pela Santa Casa de Misericórdia pode ser adotado pela Prefeitura de Salvador. 

“No nosso entendimento, talvez não haja necessidade de construir novos cemitérios em Salvador. O que há é uma forma inovadora de conciliar essa questão. Aqui é um exemplo: um cemitério centenário, com pouca capacidade de ampliação, mas que enfrenta esse problema trazendo uma inovação que dá conforto às famílias e é ecologicamente correta”, apontou, enfatizando que esta hipótese ainda está em avaliação conjunta entre ele e o secretário de Ordem Pública, Marcos Vinícius Passos. 

Atualmente, a capital baiana enfrenta um problema de diminuição de espaços disponíveis nos cemitérios públicos do município. São dez locais onde se pode fazer sepultamentos a preços populares, pagando apenas uma taxa de R$ 31,34 para adultos e  R$15,66 para crianças. A família pode ser isenta deste valor, desde que assine um Termo de Pobreza. 

A Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop), responsável pelos cemitérios públicos, disponibiliza ainda o serviço de cremação gratuita, através de um convênio com o Cemitério Jardim da Saudade. 

Morrer custa caro: enterro pode sair por mais de R$ 12 mil
Morrer em Salvador não é nada barato. Ser enterrado em uma das modernas gavetas do Campo Santo custa entre R$ 3 mil e R$ 7,5 mil. O preço mais baixo é para a compra do ossuário, onde os ossos do falecido ficam depositados permanentemente. É cobrada ainda uma taxa de manutenção que varia de R$44 a R$62.

Já o valor mais alto é só para os serviços de velório, taxa para sepultamento e aluguel de um jazigo por três anos, contratados  após a morte. 

Recentemente, o Cemitério lançou o produto Campo Santo Familiar. Na compra de um ossuário com antecedência de pelo menos seis meses do falecimento, o cliente ganha o jazigo e o velório sem custos adicionais. Os R$ 3 mil investidos podem ser parcelados em até 48 vezes.

O Cemitério Bosque da Paz cobra R$ 4.753 para o aluguel de um jazigo por três anos e meio. Nesse valor já estão inclusos o aluguel da sala de velório, a placa nominal e a taxa de sepultamento. 

Um jazigo perpétuo duplo no Bosque da Paz custa R$ 12.399. Nele cabem dois corpos e quatro ossadas. Dá para dividir em até dez vezes no cartão.  Um jazigo simples, em que o falecido pode ser sepultado ao lado de outras pessoas, custa R$ 7.488. 

Já a locação por três anos e meio custa R$ 3.753. A compra de um ossuário para depositar até duas ossadas   em definitivo após a exumação vale R$ 2.827 mais a taxa de manutenção anual de R$ 74.

A cremação pode ser feita no Bosque da Paz por R$ 6 mil. Este valor pode ser pago em um plano familiar em até 48 parcelas, mas a pessoas só recebe o título de cremação se 50% do valor total já tiver sido quitado.   

Já para ser enterrado no Cemitério Jardim da Saudade, é preciso desembolsar um pouco mais. O sepultamento em um jazigo compartilhado custa R$ 7.350; em um túmulo indívidual, R$ 10,5 mil.

Também estão disponíveis jazigos permanentes a R$ 25 mil, a prazo, ou R$ 22,5 mil, à vista. Mesmo a família sendo proprietária do jazigo, a taxa anual de manutenção, de R$ 780,  tem que ser paga. A cremação custa R$ 8,4 mil.

Mas se engana quem pensa que os gastos acabam após o sepultamento. Após três anos, se o jazigo não for perpétuo, é preciso retirar os ossos. No Campo Santo, a exumação ultrapassa os R$ 300, no Bosque da Paz custa R$ 412 e no Jardim da Saudade, R$ 1.103.

Fonte: Correio 24hs

Eco & Ação

Ecologia

Loading...

Postagens populares

Parceiros