Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

A Coreia do Sul esta no topo das mortes por suicídio. Então surgiu por lá as “Escolas da Morte”

Pessoas são Presas em Caixões na Coreia do Sul 


Em média 40 casos são registrados por dia de pessoas que acabam com a própria vida no país. Segundo especialistas, essa estatística se deve à existência de uma sociedade altamente competitiva, que afeta pessoas jovens, de meia-idade e idosos.

Para lidar com esse problema e a dramática estatística apresentada pela sociedade sul coreana, surge uma alternativa: as chamadas “escolas da morte”. A ideia é proporcionar ao público um momento de reflexão sobre a possível decisão de acabar com a própria vida, envolvendo a maneira de se fazer isso e uma análise sobre o sentimento das pessoas e familiares que ficam.

Os alunos, então, entram nos caixões e são trancados pelo “anjo”. Inicia se a sensação é de estarem mortos, e ficam por longos 10 minutos enclausurados nas caixas de madeira. Nesse tempo, o que eles devem refletir sobre a vida e analisá-la sob outra perspectiva.

As aulas

As simulações de funerais se iniciam com os alunos carregando o seu próprio retrato funerário (como se fosse uma lápide) até um caixão. Há vários alunos por classe e eles estão utilizando vestes tradicionalmente utilizadas para o enterro. Todos os passos são regidos por um palestrante, que no caso das aulas das imagens é Jeong Yong-mun, ex-funcionário de uma companhia funerária. Na fala inicial, ele procura evidenciar a todos os presentes que os problemas fazem parte da vida e precisam ser resolvidos ou aceitos e nem tudo tem solução plausível. Ou seja aceitar as realidades da vida.

Os fatores que causam as altas taxas de suicídio
A Coreia do Sul levou poucas décadas para sair da posição de uma das nações mais pobres e figurar entre as 12 maiores potências econômicas do mundo. Como consequência, as pessoas passaram a ignorar o coletivismo, aderindo à ideologia do individualismo. Isso influenciou nas estruturas familiares e muitos passaram a se sentir sozinhos e abandonados.

Entre as pessoas que optaram pelo serviço funerário simulado, estão adolescentes que se sentem pressionados nas notas escolares, pais que se sentem inúteis depois de os filhos terem saído de casa e idosos angustiados por se sentirem um fardo para a família – grupo que chama atenção por ser quatro vezes mais propenso ao suicídio.

As pessoas são sempre incentivadas a viver através de propaganda maciça pelas ruas e pontes
No intuito de diminuir esta alta taxa de mortalidade em 2012 Samsung lançou uma campanha em parceria com a agência de publicidade Cheil Worldwide para mudar a imagem da Ponte Mapo, transformando esse local em uma “Ponte da Vida” e não da morte. Em cinco anos foram registradas 108 tentativas de suicídio nessa ponte. Para isso, diversos sensores de movimento e luzes de LED foram espalhados pela estrutura, que se acendem com mensagens de otimismo conforme detectam o movimento das pessoas.

Dados estatísticos

De acordo com uma pesquisa publicada recentemente pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), 40 pessoas se suicidam por dia no país asiático, alcançando a marca de 14 mil anualmente. Para cada 100 mil habitantes, existem 28,9 casos de suicídio, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Fonte: Todas Funerárias

Eco & Ação

Ecologia

Loading...

Postagens populares

Parceiros