Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Mulheres podem vir a celebrar batismos, casamentos e funerais

Seriam clérigos, logo atrás dos padres, mas excluídas de dar as missas ou ouvir confissões. Francisco vai criar comissão para o efeito


O Papa Francisco concordou em criar uma comissão para estudar se as mulheres deviam ser ordenadas diáconas, que são os clérigos que estão logo atrás dos padres na cadeia hierárquica da Igreja. Como diáconos podem rezar e celebrar batismos, casamentos e funerais, mas não poderão celebrar missas, ouvir confissões e ministrar a Extrema Unção.

Parece pouco mas é um passo gigantesco dentro da Igreja Católica, que poderá contribuir para, no futuro, as mulheres poderem vir a ser ordenadas sacerdotes.

Ontem, perante várias centenas de religiosas, o Papa respondeu afirmativamente a uma que perguntou se não era altura de criar uma comissão para estudar esta questão, de acordo com as agências noticiosas italianas.

"Penso que sim, fazia bem à Igreja esclarecer este ponto. Concordo. Falarei para que se faça qualquer coisa desse género", declarou Francisco, citado pelas agências noticiosas italianas.

O Sumo Pontífice falava perante cerca de 900 superioras gerais de vários institutos e congregações religiosas dos cinco continentes, durante um encontro com a União Internacional de Superioras Gerais (UISG), realizado no Vaticano.

"A presença das mulheres na Igreja toca na questão do diaconado permanente e, a esse respeito, o Papa Francisco disse que seria útil constituir uma comissão de estudo que se ocupe do tema", informou o jornal do Vaticano, "L"Osservatore Romano".

Questionado pela agência noticiosa France Presse, o porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, recusou confirmar a informação e disse aguardar por um esclarecimento das declarações do papa.

No "longo colóquio", acrescenta o jornal do Vaticano, o Papa falou do pouco protagonismo das mulheres, leigas e consagradas, nos processos de decisão na Igreja e na pregação.

As religiosas, provenientes de 80 países, encontram-se em Roma até sexta-feira para a reunião plenária da UISG, em representação de meio milhão de consagradas. O diaconado é a primeira etapa para o sacerdócio, mas o Concílio Vaticano II restabeleceu o diaconado permanente, acessível a homens casados (depois de terem completado 35 anos), que assumem algumas funções quando não há padres ou são seus assistentes.

O diaconado exercido por candidatos ao sacerdócio só é concedido a homens solteiros.

Bispo aplaude o Papa

D.Januário Torgal Ferreira, bispo emérito das Forças Armadas, congratulou-se, em declarações ao DN, com este passo dado pelo Papa. "Sempre achei que a mulher devia estar muito mais presente e ter ume xercício pleno na Igreja",a firmou. "O Papa Francisco é uma benção. A Igreja tem de discutir e estudar a possibilidade de a mulher aceder ao pleno dos serviços litúrgicos". D.Januário considera que o acesso das mulheres ao sacerdócio devia ser discutido. E encara esta fase como uma etapa nesse caminho. "Traz-me um júbilo muito grande esta decisão pela família católica em geral".

O papa Francisco referiu, em várias ocasiões, a sua vontade de resolver a desigualdade existente atualmente entre homens e mulheres na Igreja, mas até agora tomou poucas medidas concretas. Com origem grega, a palavra "diácono" pode traduzir-se por servidor, e corresponde a alguém especialmente destinado na Igreja Católica às atividades caritativas, a anunciar a Bíblia e a exercer algumas funções litúrgicas, como assistir o bispo e o padre nas missas, administrar o Batismo ou presidir a casamentos e exéquias.

com agências Lusa e Ecclesia

Fonte: Jornal DN

Eco & Ação

Ecologia

Loading...

Postagens populares

Parceiros