Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Anunciados os vencedores do concurso para Cemitério Vertical em Tóquio

O instituto de pesquisa arquitetônica arch out loud anunciou os vencedores do concurso internacional e aberto para um Cemitério Vertical em Tóquio, que buscava soluções para a crescente questão dos sepultamentos na cidade de Tóquio.


Sediado no distrito de Shinjuku, em Tóquio, o concurso desafiou arquitetos e designers a desenvolverem propostas para um cemitério vertical que explorasse a relação entre a vida e a morte na cidade, levando em conta a identidade cultural que está ligada à morte.

Das 460 propostas que representam 54 países e seis continentes, um vencedor e três finalistas foram selecionados por um júri, que incluiu David Adjaye, Tom Wiscombe, Alison Killing e outros mais.

Os vencedores do concurso foram:

Finalista: Entre / Moises Roro Marquez, Carlos Orbea Martinez, Gonzalo Garcia-Robeldo, Piotr Panczyk; Espanha

Cortesia de Arch Out Loud
O conceito é baseado no diálogo entre volumes feitos de dois materiais drasticamente diferentes e do espaço vazio intermediário. Além de gerar espaços interessantes com três ambientes diferentes, isso poderia ser considerado uma metáfora para o cemitério, um lugar entre dois mundos: dos mortos e dos vivos. Nosso projeto os reconhece como diferentes e os une juntos dentro de uma estrutura encontrando um lugar para utilidades e espaços públicos. Tudo isso está escondido na grade modular que separa o espaço dedicado para cada túmulo de uma maneira econômica e respeitosa que não contradiga as tradições japonesas ou seus costumes.

Além do Horizonte da Consciência questiona sobre o nosso conceito atual da consciência e sua relação com a morte. O projeto é uma "estranha" negação de Tóquio - a cidade que inunda cada "espaço escuro" com luz e barulho, a cidade que leva a quebrar o mito e a irracionalidade. O espaço expressa-se através de mimetismo da caverna, a arquitetura que não tem um plano ou quartos. O terreno é um prado interagindo com os usuários. A superfície das rochas serve como um columbário, um depósito para as "urnas" modernas, criadas da separação do DNA. O fundo da caverna consiste em um espaço de reflexão. Espaços menores e pessoais estão localizados todo o caminho da entrada para o lago.

Paisagem interior é um limite entre o ritmo frenético da cidade e o espaço interior atemporal. A paisagem interna é um trajeto vertical, uma interpretação híbrida do pagode de vários pavimentos e do santuário japonês. Paisagem Interior simboliza a tripartição budista em três terras: uma terra de raízes, uma terra do meio e uma planície do céu. A paisagem interior é a morte e a vida: um lugar críptico para se sentir próximo com o afastado amado e uma rota espiritual entre peças "artificiais" da paisagem japonesa, que leva à percepção da reverência do Xintoísmo pelos artefatos naturais.

Este projeto explora uma nova maneira de lidar com a restrição espacial para cemitérios urbanos, enquanto expressa uma abordagem única para a vida e a morte. Tendo os balões como um meio de armazenamento de caixões, utilizamos o espaço vertical para utilizar os balões que sobem gradualmente e eventualmente voam para fora. O aparecimento e o desaparecimento de balões ressoa com a temporalidade da vida. Partindo do deprimente silêncio no projeto tradicional do cemitério, propomos um novo espaço de tranquilidade criado por uma torre de balões.

Os vencedores do concurso serão apresentados na primeira edição da revista "DEATH + ARCHITECTURE", que será lançada no início de 2017.

Fonte: ArchDaily

Eco & Ação

Ecologia

Loading...

Postagens populares

Parceiros