Colaboradores

Tecnologia do Blogger.

Siga-nos por Email

Seguidores

Arquivo do blog

Pesquisar neste blog

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Maias usavam sistema de água eficiente e sustentável

Consumidor Moderno Consciente
Um estudo publicado recentemente mostra que a civilização maia da América Central tinha um método sustentável de gerenciamento da água. Esse sistema hidráulico, aperfeiçoado por mais de mil anos, foi pesquisado por uma equipe norte-americana.

As antigas civilizações têm muito a ensinar para as novas gerações. O caso do sistema de coleta e armazenamento de água dos maias é um exemplo disso. Para chegar a esta conclusão, os pesquisadores fizeram uma escavação arqueológica nas ruínas da antiga cidade de Tikal, na Guatemala.

O estudo foi coordenado por Vernon Scarborough, da Universidade de Cincinnati, em Ohio. O artigo sobre as pesquisas foi publicado na revista científica “PNAS”.

Durante o estudo, foram descobertas a maior represa antiga da área maia, a construção de uma barragem ensecadeira para fazer a dragagem do maior reservatório de água em Tikal, a presença de uma antiga nascente ligada ao início da colonização da região, em torno de 600 a.C., e o uso de filtragem porareia para limpar a água dos reservatórios.

No sistema havia também uma estação que desviava a água para diversos reservatórios. Além disso, os pesquisadores encontraram indícios de ampliação do sistema e plantio de vegetação para impedir a erosão do solo em torno dos reservatórios.

Através desse princípio, os maias supriam a necessidade de água da população, estimada em 80 mil em Tikal, próximo ao ano 700. Além das estimativas de mais cinco milhões de pessoas que viviam na região das planícies maias ao sul.

No final do século nove a área foi abandonada e os motivos que levaram ao seu colapso ainda são questionados e debatidos por pesquisadores. Para Scarborough é muito difícil dizer o que de fato aconteceu. “Pode haver tantas explicações como existem arqueólogos trabalhando no campo. Minha visão pessoal é que o colapso envolveu diferentes fatores que convergiram de tal modo nessa sociedade altamente bem sucedida que agiram como uma ‘perfeita tempestade’. Nenhum fator isolado nessa coleção poderia tê-los derrubado tão severamente”, disse o pesquisador à Folha de S. Paulo.

Para ele, a mudança climática contribuiu com a ruína desta sociedade, uma vez que eles dependiam muito dos reservatórios que eram preenchidos pela chuva. Para Scarborough, é provável que a população tenha crescido muito além da capacidade do ambiente, levando em consideração as limitações tecnológicas da civilização. “É importante lembrar que os maias não estão mortos. A população agrícola que permitiu à civilização florescer ainda é muito vital na América Central”, lembra o pesquisador.

* Com informações do CicloVivo

Fonte: Mercado Ético

0 comentários:

Postar um comentário

Eco & Ação

Postagens populares

Parceiros